Reino Unido prepara-se para permitir equipamentos Huawei nas suas redes 5G

O Governo do Reino Unido deve decidir, hoje, se permitem que a gigante da tecnologia Huawei participe no lançamento das redes 5G no seu território

As autoridades britânicas, prevê-se, deverão fazer uso do equipamento da Huawei nessas redes.

Os EUA, como se sabe, aumentaram a pressão sobre o Governo do Reino Unido para excluir a Huawei da rede 5G do país, argumentando que permitir que a Huawei operasse sua rede 5G poderia colocar em risco a partilha transatlântica de inteligência ou mesmo o acordo comercial entre os dois países. Apesar da pressão dos EUA, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson insistiu que o Reino Unido pode ter progresso tecnológico enquanto preserva a segurança nacional. Em entrevista à BBC no início deste mês, Johnson disse: “O público britânico merece ter acesso à melhor tecnologia possível. Queremos colocar em banda larga gigabit para todos. Agora, se as pessoas se opõem a uma marca ou a outra, precisam de nos dizer qual é a alternativa.” As empresas de telecomunicações do Reino Unido usam a Huawei nas suas redes nos últimos 15 anos, durante os quais o maior fornecedor de equipamentos de telecomunicações do mundo manteve um histórico comprovado de segurança cibernética, dizem analistas.

O Governo dos EUA tem tentado convencer os seus aliados a não permitir que a gigante de tecnologia chinesa instale as suas redes 5G, alegando que isso seria um risco à segurança, sem fornecer qualquer evidência.

Há evidências, no entanto, de que a exclusão da Huawei custaria à economia do Reino Unido 7 bilhões de libras e resultaria em redes 5G mais caras, aumentando os preços para qualquer pessoa com um dispositivo móvel. O Governo britânico tem acesso total para avaliar as gamas de produtos da Huawei por meio do Cyber ​​Security and Evaluation Center, aberto no país em 2010. O conselho de supervisão da instalação é presidido pelo diretor executivo do National Cyber ​​Security Centre do Reino Unido com membros do Governo, incluindo o Governo Sede de Comunicações, bem como o sector de telecomunicações do Reino Unido.

 

As agências de segurança do Reino Unido acreditam ter gerenciado preocupações de segurança em torno do fornecedor chinês até agora e poderão fazê-lo com a rede 5G. O diretor-geral do MI5 (serviço de inteligência), Andrew Parker, disse no início deste mês que “não tinha motivos para pensar” que o uso da tecnologia Huawei ameaçaria a partilha de informações com os EUA. O Governo britânico reiterou que a “diversidade sustentável no mercado de fornecedores de 5G” é a peça central da resiliência das redes de telecomunicações, não apenas uma questão de entrada ou saída. Muitos acreditam que reduzir a concorrência a apenas duas opções de fornecedores não pode ser bom para o mercado e para os consumidores, nem ajuda a fortalecer a resiliência das redes de telecomunicações que o Governo do Reino Unido descreve como “de suma importância”.

Dexter Thillien, analista sênior de TMT da Fitch Solutions, disse à CNBC que “Três é melhor do que dois”, ele disse: “Se você banir a Huawei, poderá escolher entre a Ericsson e a Nokia. Você não tem concorrência. Na entrevista à BBC, Johnson disse: “Não há razão para não termos progresso tecnológico aqui no Reino Unido, permitir que consumidores, empresas no Reino Unido tenham acesso a tecnologia fantástica, comunicações fantásticas, mas também protejamos os nossos interesses de segurança e protecção, as nossas principais parcerias com outros poderes de segurança em todo o mundo “.

Apesar das restrições dos EUA e de uma campanha prolongada contra os seus negócios, a Huawei continua líder no cenário competitivo de 5G. De acordo com a IPlytics GmbH, a Huawei é a número 1 em termos de número de patentes essenciais padrão 5G (SEPs) e número de contribuições de padrões 5G. A Huawei ocupa a 5ª posição em termos de investimento em pesquisa e desenvolvimento no Painel de Investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento da UE em 2018, seguida pela Nokia (27) e Ericsson (45). A Huawei desempenhou um papel importante ajudando seus parceiros de operadoras do Reino Unido a desenvolver e implantar redes fixas e móveis em todo o Reino Unido. A Huawei estimulou uma contribuição de £ 1.7 bilhões ao PIB do Reino Unido apenas em 2018, de acordo com uma pesquisa da Oxford Economics. Além disso, a Huawei suportou 26.200 empregos em todo o Reino Unido em 2018. Esta atividade econômica gerou £ 470 milhões em receitas tributárias para o Exchequer. Em toda a UE, nenhum Governo ainda impôs uma proibição total à Huawei. Os operadores alertam que a proibição da Huawei pode adicionar anos de atraso e bilhões em custos ao lançamento da rede 5G dos países europeus. Como a Alemanha assumirá a presidência rotactiva do Conselho da União Europeia no segundo semestre deste ano, a chanceler alemã Angela Merkel disse, na semana passada, que a diversificação é crucial para garantir a segurança de um país na implantação da tecnologia móvel 5G e evitar um fornecedor corre o risco de ser contraproducente.

leave a reply