Constituído Júri do Prémio Investigação Histórica “Agostinho Neto”

O prémio visa promover e divulgar a História de Angola, de África, de Agostinho Neto, do Brasil, da Diáspora ou Afro-descendentes

“Agostinho Neto” já constituiu o corpo de júri que irá analisar o “Prémio Internacional de Investigação Histórica” «Agostinho Neto», 2019-2020, cujas obras deverão ser entregues até ao dia 31 de Março deste ano. Trata-se de Isabel Castro Henriques (presidente do júri), Vanicléia Silva Santos (investigadora pela UNESCO), Roquinaldo Amaral Ferreira, Th omas Patrick Wilkinson (investigadores), Maria Alexandra Aparício (vogal), José Vicente (supervisor) e Irene da Silva Neto (supervisora e secretária). Este é o elenco encarregue de avaliar as obras relacionadas ao “Prémio Internacional de Investigação Histórica” «Agostinho Neto», cujo vencedor receberá o montante de USD 50 mil.

O Prémio bianual foi instituído, em 2014, pela Fundação Dr. António Agostinho Neto em parceria com o Instituto Afrobrasileiro de Ensino Superior, ao qual se juntou a UNESCO em 2016, para promover e divulgar a História de Angola, de África, de Agostinho Neto, do Brasil, da Diáspora ou Afro-descendentes. De acordo com o regulamento do concurso, o original de cada obra concorrente deve ser impresso em folhas de papel cor branca em formato A4. O texto deve estar formatado em tamanho 12, letra Times News Roman.

As páginas devem ser numeradas, ordenadas e conter o título da obra e o nome do autor. Terá de ser apresentado num resumo com um máximo três folhas em que deverá exprimir correctamente o conteúdo do trabalho, de modo a permitir uma primeira análise quanto a admissibilidade a concurso. A publicação das obras será feita no Brasil, através da Editora Zumbi dos Palmares, sendo metade para a FAAN e a outra para o IABES, no sistema de co-edição. A língua empregue deverá ser o português sem o Acordo Ortógráfico (AO) para Angola e como AO para o Brasil.

error: Content is protected !!