Editorial: Crédito e vícios

Jornal OPaís edição 1739 de 06/02/2020

As tentativas do Governo de estimular a economia angolana por viando crédito redundaram em esbanjamento, quem o diz é o economista Yuri Quixina, e tem toda a razão. Mas o problema não está no crédito em si, está nas debilidades do Estado e na acção dos beneficiários do crédito. O estado tem tudo para não reaver o seu dinheiro e tem tudo para que tais políticas falhem. O acesso ao crédito é botão complicado que basicamente os beneficiários foram sempre os mesmos, normalmente com as cartas viciadas pelos intervenientes. Há, pó outro lado, uma capacidade quase nula de cobrança por parte do Estado, que vai os impedimentos causados pelo vício das cartas, pela demora da justiça, pela dificuldade de encontrar e citar os devedores e também pela falta de seriedade dos que sempre têm acesso ao crédito, sem qualquer intenção de o reembolsar.

error: Content is protected !!