Falta de manutenção nos diques destrói mil toneladas de produtos do campo

o Presidente da cintura verde de luanda, Mito Silva, avançou que, pelo menos mil (1000) toneladas de produtos diversos foram destruídos pelas últimas chuvas, consequência da falta de manutenção nos diques

Mito Silva acredita que a manutenção regular dos diques (tem como finalidade impedir a passagem de água de mares, lagoas ou rios para porções secas) pode evitar a perda de grandes quantidades de produtos do campo. Sendo assim, os camponeses podem apostar na produção industrial, ao invés da produção de subsistência.

“O aluguer das máquinas escavadoras ou giratórias para efectuarem a limpeza nos diques são elevados e os camponeses não têm como custear. Por esse motivo, apelamos a ajuda do Executivo para apoiar uma vez mais o sector agrícola”, reitera. Segundo ele, neste momento, o plantio encontra-se inundado e não há condições para trabalhar, pois quando o rio Nzenza enche com as enxurradas, as águas não tem aonde escoar ,porque as valas de drenagem estão cobertas de capim.

O também agricultor estima “prejuízos avultados” na presente época agrícola, quer por acção da inundação das chuvas, quer por falta de limpeza nos diques. Questionado qual será a alternativa para mudar o quadro, referiu que alguns camponeses vão apostar no cultivo de milho e feijão macunde, pelo facto dos referidos produtos serem plantados no período das chuvas. Diferente das hortícolas e as frutas que não precisam de grandes quantidades de água no plantio.

Mito Silva referiu que, o seguro agrícola ajudaria os camponeses a retomarem o dinheiro investido e as asseguradoras também teriam benefícios, porque o sector agrícola é muito amplo. Ressaltou que o seguro agrícola inclui desde a transportação, plantação e as calamidades, mas muitos produtores não têm está informação. “Muitos camponeses têm dinheiro para fazer seguro agrícola, mas ainda não foi implementado no país. É uma boa oportunidade de negócio que os provedores de seguro perdem”, disse, admitindo que o pacote poderá ser implementado nos próximos anos. A implementação do Seguro agrícola em Angola, cujos estudos estão em curso, prevê a partilha dos riscos entre o Estado e as seguradoras, o que iria permitir produções industriais no sector agrícola.

Mau estado da estrada dificulta escoamento

Segundo o responsável, os produtores queixam-se da dificuldade para transportar as hortícolas e frutícolas até às grandes superfícies comerciais. “A estrada da Funda até Kifangondo está intransitável, o mesmo ocorre de Kifangondo até Cacuaco”, explica . A cintura Verde de Luanda alberga camponeses do município de Cacuaco até à zona da Quiminha, em Icolo e Bengo, perfazendo um total de 300 camponeses, divididos em 150 associados e 200 individuais.

error: Content is protected !!