Mais à Norte faltam cadeias

Nesta semana, embora sem grande mediatismo, foi detido o director do GEPE do Governo Provincial do Bié, Juvenal da Silva Girão, por peculato. Estamos a falar do homem que dirigia os estudos, planeamento e estatísticas da província, por quem têm de passar todos os projectos e quem lhes “cozinha” os números e relatórios, depois. E como vivemos num país em que todos os balanços anuais são positivos, ainda que o povo ingrato não o sinta, talvez fosse boa ideia a criação de uma força especial de investigação especializada em GEPE para todo o país, o problema é que, havendo seriedade mesmo, com eles entrariam muitos governadores. Porque, como se sabe, cada governador leva consigo o seu GEPE e o seu secretário-geral. Os ministros também sempre fi zeram a mesma coisa. Ainda o fazem. Mas vamos até ao Zaire, nas últimas semanas, quase não há dia em que não saia notícia de detenção de um funcionário público. Agora foi a vez do director municipal da Educação do Nóqui e de mais três funcionários da Administração de Mbanza Kongo ligados à área dos recursos humanos. Há dias tinham sido o responsável pela Cultura e mais alguns professores que se tinham promovido nas folhas de salário. O antigo director da Juventude e Desportos também foi detido. Ou seja, no Zaire está a acontecer uma limpeza tal que daqui a pouco faltarão cadeias para tanta gente. Mas, ainda assim, há aquela pergunta teimosa, que quer saber se serão responsabilizados também os governadores que os nomearam e, pelos vistos, não os controlaram.

error: Content is protected !!