Desfile competitivo do Carnaval Infantil tomado de “assalto” por São Pedro na Nova Marginal de Luanda

Não obstante a chuva que caiu sobre o tapete asfáltico da Nova Marginal, na Praia do Bispo, e um ligeiro atraso na ordem do desfile, o espectáculo realizou-se sem mais sobressaltos

Eram precisamente 15 horas e 14 minutos, debaixo de uma temperatura aparentemente amena, foliões provenientes de vários pontos da cidade capital, ávidos de desfile competitivo da classe dos mais novos, aguardavam pelos representantes das suas circunscrições. Entusiasmados, iam tomando os seus respectivos lugares nas arquibancadas junto à pista e noutros espaços proporcionados para o efeito, não obstante São Pedro ter “precipitado a abertura dos seus crivos”. Foi uma chuva calma e de pouca duração. Apesar de uma cobertura aparente nos Céu, pelas nuvens negras e cinzentas que pareciam prometer uma nova queda de chuva no local, nada intimidou os presentes.

Aos poucos, cada formação carnavalesca ia-se posicionando na pista com os seus bailarinos, carros alegóricos e falanges de apoio. Perfilados, aguardavam pelo início da festa há muito esperada, tendo o mesmo acontecido com o corpo de júri liderado por Alice Berenguel. Foram no total 15 grupos e pela ordem de desfile, o grupo Cassules do 54, proveniente da Maianga, foi o primeiro a exibir-se sob o comando de Leandro Fernandes. Com a canção “Vamos Dançar O Carnaval”, interpretada por Irina Contreiras, este grupo, fundado a 27 de Fevereiro de 1990, mostrou ao público o que foi preparando antes da competição no que ao Semba diz respeito.

A este seguiu-se o grupo Cassules do Kazukuta do Distrito Urbano do Sambizanga, com a Kazucuta no pé ao som da canção “A Gravidez Precoce”, interpretada por Leopoldina Branco. Este grupo, que teve com Rei Armando Samirana e como Rainha Eva Gomes, ao contrário da edição anterior, com chapéus e casacos brancos, e calças brancas, deslizou na avenida. A animação prosseguiu com o desfile dos Cassules Kazucuta do Hoji-Ya-Henda, que nesta edição se exibiram com uma indumentária inversa à do seu adversário do Sambizanga. Coincidência! Porém, nada disso interferiu na sua peculiar apresentação.

O desfile na Praia do Bispo viria a tornar-se mais competitivo com a passagem dos últimos grupos carnavalescos do Distrito Urbano do Rangel, do município do Kilamba Kiaxi, da Samba, de Viana e da Ingombota com muita animação. Foi um excelente espectáculo a cores. Mesmo ao cair da noite, as arquibancadas e os demais espaços continuaram repletos de gente aguardando pelos seus prestigiados grupos. Atenta ao desfile na Nova Marginal, a ministra da Cultura, Maria Piedade de Jesus, não escondeu a sua satisfação e reiterou o apoio contínuo aos grupos carnavalescos infantis para garantir o futuro da maior festa popular do país. A dirigente destacou igualmente a organização, o incentivo e a alegria das crianças que participam no evento, felicitando a coragem, interesse e adesão das mesmas.

Manifestou-se satisfeita pelo que viu, tendo destacado o facto dos grupos se apresentarem fortes e criativos, o que no seu entender é um bom indicativo para a preservação desta festa.

Protecção Civil e Bombeiros

Para dar resposta aos eventuais casos que ocorressem no Carnaval, o Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros (SNPCB) tem instalados na Nova Marginal de Luanda 370 efectivos. O porta-voz da corporação, Faustino Minguês, salientou que os efectivos estrão destacados em locais estratégicos, entre os quais a feira da alimentação, tribunas, orla marítima, fim da pista do desfile e parques de estacionamento. Estarão munidos de botes salvavidas, viaturas e motorizadas de extinção de incêndios, resgate e ambulância para o atendimento pré-hospitalar e meios portáteis. Faustino Minguês avançou que todas as precauções foram tomadas por parte dos membros da corporação para uma actuação rápida.

Como medida preventiva, fez saber que especialistas dos bombeiros trabalham junto das comunidades e grupos carnavalescos para evitar a ocorrência de situações que possam colocar em causa o evento. Aconselhou, por outro lado, uma boa preparação mental devido às altas temperaturas, alimentação adequada, consumo de líquidos e evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

PN em prontidão Mais de 2 mil polícias do Comando de Luanda da Polícia Nacional, entre oficiais, sargentos e agentes, estão desdobrados na capital do país durante o Carnaval. O porta-voz do Comando Provincial, Intendente Hermenegildo de Brito, referiu que a maior parte do efectivo pertence ao comando da Divisão do município de Luanda, Polícia de Trânsito, Serviço de Bombeiros, Delegação do Ministério do Interior (Minint).

Durante os três dias do evento, os efectivos da Polícia Nacional actuarão em toda a extensão da Nova Marginal e arredores, bem como em locais de bailes de Carnaval oficialmente autorizados pelas autoridades da Cultura e nas diversas ruas dos municípios e distritos da cidade capital. As autoridades policiais, segundo Hermenegildo de Brito, estão a passar a mensagem junto dos grupos carnavalescos para um comportamento cívico durante os desfiles que acontecem nos dias 22, 23 e 24 na Nova Marginal de Luanda. Encerrou o desfile competitivo da classe infantil o grupo Cassules do União mundo da Ilha.

Desfile da Classe infantil

O desfile da Classe infantil esteve assim ordenado: 1. Cassules 54 2. Cassules Kazucuta do Sambizanga 3. Cassules Kazukuta do Hoji ya Henda 4. Cassules Os Petrolíferos 5. Cassules Fogo Negro 6. Cassules Sagrada Esperança 7. Cassules Twafundumuka 8. Cassuless 10 de Dezembro 9. Viveiros do Njinga a Mbande 10. Cassueles Café de Angola 11. Cassules Geração Sagrada 12. Cassules Jovens da Cacimba 13. Cassules Juventude do Kilamba Kiaxi 14. Cassules Amazonas do Prenda 15. Cassules Mundo da Ilha. O detentor desta categoria é o grupo Cassule Viveiro Njinga a Mbande. Hoje, Domingo, o desfile na Nova Marginal prossegue às 15 horas com o desfile da Classe B adultos, da qual o União Povo do Prenda será o primeiro a exibir-se.

error: Content is protected !!