Percurso de um rapper angolano “nas ruas” britânicas

Filipe Cauende, conhecido popularmente por “Yr”, é um rapper angolano, que almeja o sucesso “nas ruas” do reino unido, e muito recentemente, foi distinguido no “Open Mic uK”, Concurso de Música ao vivo para Cantores, vocalistas e Artistas a solo

Israel Campos, em Londres

Filipe Emanuel Cauende, de 22 anos, é um jovem rapper angolano que reside na cidade de Liverpool, no Reino Unido, onde actualmente prossegue o curso de Áudio e Produção Musical na “Liverpool John Moores University”. Conhecido artisticamente por “YR” (Yilly Ruel), descobriu-se como músico, em Luanda, e hoje consolida os seus passos nesta indústria em solo britânico, onde recentemente foi distinguido com dois prémios no concurso “Open Mic UK”, junto do seu amigo, também angolano, Rubson Chipopa.

A relação entre Filipe Cauende e a música começou há cerca de 8 anos. Na altura, com 14 anos, vivia com a sua família, estudava e acreditava que devia seguir os seus sonhos. Assim, as suas primeiras músicas foram gravadas por meios próprios num estúdio arrojado, cujo resultado não foi muito satisfatório para si. “As músicas não tinham tanta qualidade, e eram básicas, sobretudo em termos de produção”, explicou YR.

Ainda naquela altura, o jovem não tinha definido o estilo musical com que mais se identificava, enquanto potencial artista, até que, por influência do seu irmão mais velho, decidiu que era no rap ao qual queria dedicar-se. “Eu sempre gostei de RnB, ouvia Anselmo Ralph e outros cantores internacionais, por causa da influência do canal MTV, tais como Chris Brown, Trey Songz etc”, esclareceu YR, esclarecendo que, na verdade, as suas influências musicais nunca foram muito ligadas ao rap. Passados alguns anos, YR olha hoje para a sua música como uma ferramenta que possa “motivar e contar as histórias das pessoas”, evitando que a sua arte se transforme em só mais um modelo consumível mas descartável.

O conteúdo das suas músicas é fortemente influenciado pelo contexto social e até político angolano. “Tento sempre abordar sobre a situação actual em que o país vive, abordo sobre as zungueiras, sobre o materialismo no seio da juventude angolana, etc”, adicionou. Um exemplo é a música “Mudança”, da mixtape “Painting On A Wall”, produção de Tone Jonez, que reflecte as mudanças na política e sociedade em Angola com a entrada em cena de um novo Presidente, em 2017.

Distinguido no concurso “Open Mic UK”

O “Open Mic UK” é uma competição de música ao vivo organizada pela Future Music Management no Reino Unido para cantores, vocalistas e artistas solo. Todos os anos a competição recebe mais de 10 mil inscritos de todo o Reino Unido e inclusive de fora do país. Em Setembro do ano passado, “na brincadeira” e “com o intuito de dar a conhecer a sua música”, YR decidiu inscrever- se para a competição e convidou o seu amigo Rubson Chipopa, que é instruIsrael mentista, para formarem, juntos, uma “dupla de angolanos.

Ambos enfrentaram distintas fases, entre Manchester e Liverpool, até que chegaram a Londres no dia 2 de Fevereiro, para a grande final da competição. “Imma Be Ok”, um rap acústico, foi o título da música que lhes rendeu o 2º lugar da categoria de Melhor Música. Acrescentando a este prémio a distinção do 3º lugar como Melhor Artista da Competição”. “Chegar a Londres para a final era tudo que nós queríamos. O facto de termos levado prémios superou as nossas expectativas”, confessou.

Projectos

Para o futuro, trabalho é a palavra de ordem deste jovem apaixonado pela sua arte. YR pretende, ainda para este ano, lançar a segunda parte da sua mixtape “Painting On A Wall” que é um trabalho que vem com algumas participações de outros artistas, incluindo um rapper britânico, conforme avançou. A divulgação do seu trabalho é essencialmente feita através das plataformas digitais Youtube, Spotify e Apple Music. Bilingue, o rapper tenciona continuar a cantar nas duas línguas que domina, o português e o inglês, e a apostar cada vez mais na promoção do seu trabalho em Angola e no Reino Unido.

error: Content is protected !!