Queda do preço do petróleo mantém-se o ano todo devido ao coronavírus

Aconteceu ontem, Quinta-feira, 5, em Viena-Áustria a 178ª reunião Extraordinária da organização dos Países Exportadores de Petróleo (oPEP). Com a participação de angola, a oPEP fecha acordo para corte adicional na oferta de 1,5 milhão de barris de petróleo

Reunido ontem, em Viena-Áustria, os membros da OPEP analisaram o grau de implementação dos cortes decididos na 117ª reunião realizada em Dezembro passado, cuja implementação teve início em Janeiro de 2020. A reunião analisou também o impacto da coronavírus que afecta a China um dos maiores destinos do petróleo bruto, segunda maior economia do mundo. “Com a propagação da epidemia criou-se um desequilíbrio no mercado entre a oferta e à procura do crude, factor da actual baixa significativa do seu preço e com perspectiva de se prolongar durante todo ano de 2020”, admitem os participantes na reunião.

OPEP fecha acordo para corte adicional na oferta de 1,5 mi barris de petróleo, dizem fontes A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) chegou a um acordo para reduzira sua produção e a de aliados em mais 1,5 milhão de barris por dia (bpd), em reacção ao impacto económico do coronavírus, segundo fontes com conhecimento do assunto. Hoje, Sexta-feira, o encontro será estendido à OPEP , que inclui a Rússia e outros aliados. Pelo plano acertado, a OPEP se responsabilizaria por uma redução adicional de 1 milhão de bpd, enquanto os 500 mil bpd restantes caberiam aos aliados na OPEP, disseram as fontes.

A princípio, a Rússia teria concordado com a redução, mas não com o volume proposto, ressaltaram as fontes. Em representação do país, a delegação angolana é liderada pelo ministro dos Recursos Minerais e petróleos, Diamantino Pedro Azevedo, que se faz acompanhar de altos funcionários do sector que dirige com destaque para o PCA da Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANPG) Paulino Jerónimo e da Sonangol, Sebastião Gaspar Martins.

error: Content is protected !!