Huawei abre congresso tecnológico em Angola com apresentação do 5g

A Huawei diz que estar próximo dos clientes é uma das suas principais divisas, pelo que, a pensar neles, apresentou, ontem, em Luanda, chipes que inseridos em meios tecnológicos tornam-se “inteligentes” e uma nova aplicação que poderá substituir o android

A empresa chinesa Huawei abriu em Angola um congresso de exposição de tecnologias, com o 5G (quinta geração das normas para rede móvel) no centro das atenções. Trata-se de um conjunto de protocolos e métodos de transmissão de informações que oferece rapidez de resposta e uma ampla capacidade, segundo apurou OPAÍS. O 5G é a nova versão do conjunto de tecnologias móveis que representa uma melhoria das capacidades técnicas oferecidas pelo actual 4G. Pedro Lopes, engenheiro de telecomunicações da Huawei, disse que nesta primeira fase o objectivo é trazer dispositivos que apoiem esta tecnologia, realçando que Angola ainda não está preparada em termos de infra-estruturas para receber esta tecnologia.

Ainda assim, disse que têm feito um excelente trabalho em Angola,onde  a sua tecnologia tem sido determinante na implementação de várias soluções sobretudo empresariais para obtenção de dados de forma rápida. “Trouxemos soluções para cidades inteligentes que com o 5G conseguimos centralizar os serviços e ter um controlo agregado”, disse. Pedro Lopes disse que a Huawei não está apenas preocupada em vender os produtos, mas também em tomar conta dos clientes, razão pela qual criaram dois chipes inteligentes, um para colecta de informações e outro para execução. Ambos também foram apresentados no evento. “Como as coisas para o futuro tendem a ser inteligentes, a Huawei pensou em tornar inteligentes as coisas que nós já temos.

Às câmaras que nós temos podemos incorporar os chipes de que falo e torna-las inteligente”, disse. Este “congresso” da Huawei é realizado anualmente em Barcelona, mas devido à pandemia de Coronavírus acabou por constar entre as actividades que congregam uma grande moldura humana que foram canceladas. No entanto, para fazer chegar as suas criações aos utentes, a empresa decidiu realizar uma actividade em cada país em que tem representação. A gigante chinesa Huawei figura em segundo lugar no ranking mundial do mercado de smartphones e é a número um em produção de equipamentos para telecomunicações. No evento, estiveram representantes de empresas de telefonia e telecomunicações.

Novo sistema operativo

O evento serviu também para a empresa apresentar um novo sistema operativo que poderá substituir a Android. Baptizado de Harmony OS, o sistema operacional foi apresentado pela companhia como “completamente diferente” do iOS, da Apple e do Android, do Google. O mesmo surge em consequência da inclusão da Huawei na lista de empresas proibidas de manterem relação com os EUA, cujo anúncio foi feito a 15 de Maio pelo Presidente Donald Trump, no meio da guerra comercial entre este país e a China.Com isso, proibiu as companhias americanas de venderem material a empresa chinesa, o que faria a Huawei ter de parar de usar nos seus celulares o sistema operacional Android, da Google. Consciente de que um dos maiores desafios para fazer o Harmony OS emplacar são as aplicações, a Huawei diz estar engajada a criar programas para o seu possível novo sistema. Enquanto impulsiona a criação de novas aplicações e dá suporte aos desenvolvedores, a empresa continuará a usar o Android nos seus aparelhos.

error: Content is protected !!