Festival “A nossa Kizomba” em Luanda, adiado em consequência do Coronavírus

O festival estava previsto para 4 de Abril, mas foi adiado sem data futura, no âmbito de medidas preventivas aconselhadas pela Organização Mundial da Saúde, de modo a evitar os aglomerados entre as pessoas. O evento será apenas realizado quando a pandemia do Coronavírus for controlada a nível mundial

Eduardo Paim e Maya Cool em concerto

O festival nacional denominado “A nossa Kizomba”, previsto para 4 de Abril, no Shopping Avennida Morro Bento, em Luanda, foi adiado sem data futura, no âmbito de medidas preventivas aconselhadas pela Organização Mundial da Saúde no sentido de evitar os aglomerados de pessoas, devido à disseminação da pandemia do Coronavírus, que se tem registado em muitos países.

A informação foi avançada numa conferência de imprensa realizada ontem, que contou com a presença de membros da organização do evento, a SODIBA – Sociedade de Distribuição de Bebidas de Angola, e dos artistas em cartaz, do estilo musical e dançante Kizomba.

O responsável da SODIBA, Eufránio Júlio, disse que, apesar de no país não ter sido registado caso do género, é necessário os cidadãos prevenirem-se contra a pandemia do Coronavírus, que tem afectado grandemente muitos cidadãos nos vários continentes. O responsável referiu que, com a presente medida, pretende-se evitar a aglomeração de pessoas, uma das medidas que considera seguras, para a precaução contra esse mal, que tem ceifado muitas vidas.

Eufránio Júlio garantiu que o festival será realizado assim que a situação for controlada a nível mundial. “Acima de tudo está a saúde dos angolanos e temos isso como uma responsabilidade oficial. Por isso, adiamos o festival, somente a pensar no bem-estar dos cidadãos. Apesar de o nosso país não ter registado casos do género, a precaução é sempre a melhor opção”, Enfatizou.

Artistas solidários com a situação Os músicos em cartaz para a 2ª edição do evento, Eduardo Paím, Maya Cool, Yola Semedo, Cristo e o professor de dança Mukano Charles aplaudiram a iniciativa, tendose mostrados solidários com a situação vivida por cidadãos em muitos países. O músico Maya Cool, expectante quanto ao projecto, considerou necessário os cidadãos aderirem aos métodos de precaução, para assim acudirem as suas famílias, e evitar que sejam vitimas desse mal. “Este não é o único evento no país, que está a sofrer alteração em consequência dessa pandemia, que tem abalado os cidadãos em todo o mundo. Apesar do facto, é importante permanecer o espírito de tranquilidade em casa”, aconselhou

. A cantora e compositora Yola Semedo aplaudiu a iniciativa da organização do evento de adiar o festival, por considerar o momento um tanto ou quanto delicado para a realização de eventos do género. Por essa razão, achou ainda importante ser-se solidários com os povos afectados, pelos momentos difíceis que vivem agora. “Todos nós somos seres humanos e estamos sujeitos a contrair o Coronavírus.

Obviamente, mais tarde, vamos também, infelizmente, ter essa doença no nosso país. Por isso, acho extremamente fundamental passar a mensagem de que a prevenção é a melhor forma que temos para combater essa doença”, apelou. Quanto ao festival, analisou como meio importante para a interacção com a nova geração no país, bem como para registar a “verdadeira história do conceito Kizomba angolano”.

O festival

Durante o evento, os músicos supracitados, além de John Ramos, Walter Ananas e Aidini Diogo, brindarão os presentes com os seus temas musicais de sucessos. Será igualmente desenvolvido um concurso em que amadores e profissionais poderão mostrar os seus talentos. Durante o evento, pretende-se ainda promover vários workshops de Kizomba, concursos de dança, entrevistas e captação de imagem, assim como juntar as famílias num único espaço de convívio, para avaliarem as novas tendências da Kizomba no país.

error: Content is protected !!