Chinês internado no hospital de Benguela tem malária e não Covid-19

Os testes feitos ao cidadão chinês de quem se suspeitava estar infectado com o coronavírus deram negativo. O paciente não sofre da Covid-19, mas padece de malária e, neste momento, recebe assistência médica e medicamentosa na sala de cuidados intensivos do Hospital Geral de Benguela, informou o director do Gabinete Provincial da Saúde, Manuel Cabinda

POR: Constantino Eduardo, em Benguela

O cidadão do gigante asiático, que responde pelo nome de Chan Haro, residente em Benguela, deu entrada no Hospital Geral de Benguela há 6 dias, depois de ter saído da China para Angola, com trânsito em Addis Abeba, Etiópia, a 15 de Janeiro, e apresentava dificuldades respiratórias e febre alta, sintomas que se assemelham aos da pandemia que, desde final do ano passado, pôs o mundo em alerta. Face às manifestações do paciente, na altura, a equipa médica e demais utentes da maior unidade sanitária entraram em pânico, suspeitando que se tratava de Coronavírus, a ponto de ter criado uma onda de especulação, sobretudo nas redes sociais, inundando Benguela, no fim-de-semana passado, com uma série de informações de que a província teria registado o primeiro caso de Covid-19.

Nesta perspectiva, até porque o quadro do paciente era descrito como preocupante, as autoridades sanitárias enviaram amostras a Luanda, uma vez que a província ainda não dispõe de condições para os testes, e o resultado deu negativo: o paciente não padece da doença, mas sim de malária. O cidadão chinês recebeu na Quarta-feira, 18, a visita do governador de Benguela, tendo, na ocasião, sido informado sobre o quadro clínico do paciente. A Rui Falcão, que coordena a Comissão Provincial Multissectorial de Contenção ao Coronavírus, foi-lhe dado igualmente a saber que a província vai ser reforçada com mais aparelhos para medição da temperatura. Em declarações à imprensa, o director do Gabinete Provincial da Saúde, Manuel Cabinda, esclareceu que o paciente começou o seu quadro clínico há sensivelmente uma semana.

Fez os exames e foi diagnosticado com malária e pneumonia. Transcorridos 3 dias, e dado o quadro clínico do paciente, o centro de saúde da Graça, localizado no bairro com o mesmo nome, entendeu transferi-lo para o Hospital Geral. “É um paciente que não tem nem perfil clínico, nem epidemiológico ligado ao Coronavírus. Como sabem, o período de incubação do Covid-19 é de 4 a 14 dias, e o paciente está há mais de 50 dias (desde o dia 15 Janeiro, altura que chegou a Angola). Se fosse assim, as pessoas com quem manteve contacto estariam a desencadear o quadro clínico”, tranquiliza o responsável, sustentando que não há nenhum caso de Coronavírus em Benguela. Apesar disso, diz o médico, as autoridades sanitárias têm activa a vigilância, com destaque para o Porto Comercial do Lobito e o Caminho- de-Ferro de Benguela, no sentido de detectar todos os casos suspeitos de Covid-19.

error: Content is protected !!