Adventistas e IURD multiplicam cultos em dias de prevenção do “Covid-19”

Depois do Decreto Presidencial sobre o COVId-19 que desaconselha reuniões com mais de 200 pessoas, a União Nordeste de Angola da Igreja Adventista do Sétimo dia (IASd) e a Igreja Universal do reino de deus (IUrd) multiplicaram os seus cultos diários com números que não passam aquele limite, medida a ser implementada a partir de hoje. Enquanto isso, outras igrejas preferiram não cultuar

O comunicado oficial da União Nordeste da IASD sobre COVID- 19, assinado pelo pastor Justino Paulo, diz que ficam canceladas todas as actividades de retiro, acampamentos, movimentações de corais, semana de oração jovem, almoços de confraternização nos pátios das igrejas, reservando-os somente aos cultos no padrão decretado pelo Estado de 200 membros ou menos. O único culto diário passa a estar dividido em dois. Neste sentido, diz o documento, para a protecção dos fiéis, em conformidade com o Decreto Presidencial provisório, os cultos terão a duração de 2 horas, podendo, no entanto, ser realizados das 8 horas às 10:00 e das 10:30 às 12:30, podendo os cultos continuarem no período da tarde, para as congregações com maior número de fiéis. Em conversa com o jornal OPAÍS, Francisco Venâncio, do Gabinete de Comunicação e Imagem, disse que os líderes locais de cada igreja terão a responsabilidade de seleccionar os fiéis que participarão nos cultos, em totais que não passem os 200, tal como recomendado. Chamado a comentar o facto de as outras igrejas terem anulado temporariamente todo o tipo de culto, durante os 15 dias decretados, aquele responsável disse que não é negativa a atitude das outras igrejas, pois cada um toma a medida que se adequa à sua realidade. Para ele, é necessário entender a estrutura de cada igreja, pois a adventista tem “várias miniaturas” e aquelas em que o número de fiéis passa os mil, por exemplo, serão fechadas. “Aquelas cujo número de membros não passa 100, por exemplo, os cultos serão realizados obedecendo as medidas de protecção. Atenção que a nota é sugestiva e, a partir de hoje, as igrejas terão contacto com esta sugestão e os líderes arranjarão a melhor forma de resolver o problema”, disse. É preciso não comparar as igrejas, pois, para o interlocutor, enquanto umas têm mais de mil fiéis reunidos num só sítio, como a Igreja Católica, por exemplo, a Adventista, dada a sua subdivisão das missões, poderá ter 50 nalguma região, 100 noutra e assim sucessivamente.

Mudança por causa do Covid-19

O comunicado diz ainda que os diáconos adventistas devem usar máscaras e estar munidos com frascos de álcool-gel para os membros desinfectarem as mãos na entrada para o templo. Na falta de álcool-gel, os diáconos oferecerão água e sabão para a lavagem das mãos. Será ainda evitado que se cantem hinos que promovam abraços e apertos de mãos durante os cultos. Os idosos serão devidamente acompanhados com maior cuidado por estes apresentarem maior vulnerabilidade, e as crianças. “Se alguma missão achar que em determinado templo há mais risco de contágio, dada a quantidade de fiéis, repito, a igreja não irá celebrar culto neste local. Por outra, todas as medidas de prevenção, como o uso de máscaras, álcool-gel, água e sabão, devem ser criadas pelos líderes locais de cada igreja”, reforçou. Entretanto, para além de todo o aspecto explicado pelo entrevistado, frisou que os cultos das regiões com um número considerável de fiéis serão divididos em dois, com a duração de duas horas, por causa do Covid-19.

Antes, o culto dos adventistas começava às 8 e terminava às 12 horas, e era apenas um por dia, subdividido em Escola Sabatina e Culto Solene. A Igreja Adventista diz que acompanha com profunda atenção o desenvolvimento da pandemia Covid-19, pelo que acha oportuno cumprir escrupulosamente as medidas preventivas emanadas pelas Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Governo angolano. Por isso, apelam aos profissionais de saúde da igreja a promoverem palestras sobre as medidas de prevenção desta pandemia que está a assolar o mundo, colaborando com os pastores e os demais oficiais das igrejas locais. “Estejamos seguros e confiantes porque Deus está no controlo da humanidade. Cada membro deve dedicar tempo qualitativo em oração intercessora para os afectados em todo o mundo, e não perder de vista o momento de pregar as boas novas do evangelho”, lê-se no comunicado.

Católicos sem missas a partir do dia 23

Os bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé suspendem, por um período de 15 dias, a partir do dia 23 do corrente, as missas dominicais e semanais, segundo um comunicado emitido, ontem, por causa do Covid-19 O documento que chegou a OPAÍS dá conta de que, para além das missas dominicais e semanais, a medida abrange as confissões, a via-sacra, os retiros, as peregrinações, as visitas aos santuários, as vigílias, os ensaios de grupos corais, a catequese, os encontros de grupos e movimentos apostólicos, tanto na Igreja como noutros locais. Sem missas, o fortalecimento da fé e esperança dos fiéis é incentivado pelos bispos com o uso da Rádio Ecclésia, Rádio Maria, da televisão, dos boletins diocesanos e paroquiais, e das redes sociais para a transmissão das celebrações eucarísticas e outros exercícios de piedade.

“Neste momento delicado para o mundo inteiro, pedimos que se cultivem e incentivem os fiéis a rezarem em família. Outrossim, a nível nacional, no dia 29 de Março, das 11h às 12h, se faça uma corrente de oração em todas as comunidades religiosas, seminários e famílias católicas a pedir a Deus que livre Angola e o Mundo desta pandemia”, exortam os bispos. Os bispos suspenderão temporariamente também as celebrações de funerais, as aulas nas escolas católicas, universidade e instituto superior, creches e jardins-de-infância, por um período de 15 dias, no caso do ensino, a partir do dia 24. “Seja mantido o regime de estrita quarentena nos seminários, internatos e casas de formação, evitando, ao máximo, contactos com o exterior e garantindo, internamente, a formação.

Os trabalhadores das comunidades religiosas, residências paroquiais, seminários e casas de formação, para se evitar contágios por contacto com o exterior, são dispensados”, lê-se no comunicado. Esta situação acontece quando se está a aproximar a Semana Santa e, consequentemente, a Páscoa, pelo que sobre a semana em questão, os bispos disseram que dependendo do evoluir da situação, as celebrações serão à porta fechada, sem ajuntamento de fiéis. Para finalizar, os bispos pedem a protecção do imaculado Coração de Maria, Padroeira de Angola e Saúde dos enfermos, que “interceda por nós, junto de Seu Filho Jesus, neste momento difícil da humanidade”.

Técnicas de prevenção à Universal

A direcção central da Igreja Universal do Reino de Deus, por seu turno, determina, num comunicado divulgado no seu portal, que naquelas localidades onde foi imposto um limite ao número de pessoas em templos religiosos, obedece a quantidade estipulada pelas autoridades e controla a entrada do público. “Se necessário, é ampliado o número de reuniões para atender a todos que procuram a igreja”, lê-se no texto que anuncia os cuidados que adoptou no combate à propagação do Coronavírus. diz anda que antes de entrar no culto, será oferecido ao visitante álcool em gel ou água e sabão para lavar as mãos e que, dentro dos templos, as pessoas são orientadas a se sentarem distantes umas das outras, mantendo pelo menos uma ou duas cadeiras vazias entre si. “Serão evitadas orações com imposição de mãos e a também recomendamos que as pessoas idosas com saúde fragilizada permaneçam em casa”, diz o documento, alertando à sociedade que a Universal está aberta e funcionando, e observando todas as cautelas.

error: Content is protected !!