Governo da Huila garante ter viajantes sob monitorização

A diretora do Gabinete Provincial da Saúde na Huíla, Luciana Guimarães, garantiu, a OPAÍS, que todos os cidadãos que transpuseram as fronteiras nacionais, saindo de Portugal nos últimos 21 dias, estão a ser monitorados para efeitos de observância das normas estabelecidas pelas autoridades sanitárias do país

Por: João Katombela, na Huila

Luciana Guimarães garante que os passageiros seguiram todas as orientações estabelecidas pela Comissão de Contingência e Emergência contra o Covid-19 a nível local e que, neste momento, se encontram nove em quarentena domiciliária. Todos eles têm sido acompanhados pelos técnicos de saúde. Entre as pessoas que estão em observação está o director-geral do Instituto Superior de Ciências de Educação (ISCED), José Luís Alexandre, que se deslocara a Portugal em missão de serviço.

Em declarações a OPAÍS, José Alexandre, garantiu que regressou ao país no passado dia 8 do mês em curso e antes do regresso à Huila apresentou-se às autoridades sanitárias da capital do país. Na ocasião, sem verem qualquer motivo de impedimento, o autorizaram a seguir viagem para a cidade do Lubango, capital da província da Huíla. “Fiz o rastreio em Luanda e logo fui autorizado a seguir viagem para o Lubango, uma vez que ainda não tinha sido decretada a observância da quarentena institucional”, disse.

O acadêmico revelou ter visto o seu nome e imagem espalhados nas redes sociais, como sendo um dos passageiros vindos de Portugal no dia 18. Sublinhou que ao chegar ao Lubango contactou a Direcção Provincial da Saúde para o devido rastreio. José Alexandre disse que durante o rastreio não foram observados quaisquer indícios ou sintomas do Covid-19, porém, foi -lhe recomendada a quarentena domiciliária, que continua a cumprir até ao fecho desta edição. Informação confirmada por Luísa Guimarães, membro da Comissão de Contingência e Emergência contra o Covid-19.

Disse que lhe foi coartada temporariamente a liberdade de circulação em observância as normas estabelecidas e que se encontra sob vigilância dos técnicos da aludida comissão. “Ele está bem. Está a cumprir a quarentena com a sua família, só para efeitos de cumprimento das regras que foram estabelecidas para todos as pessoas provenientes de países com maior risco de contágio, como é o caso de Portugal”, esclareceu.

error: Content is protected !!