Zimbabwe ordena bloqueio total a partir de Segunda-feira para combater o coronavírus

o zimbabwe vai impor um bloqueio nacional, por 21 dias, a partir de Segunda-feira, para ajudar a conter a propagação do coronavírus, e forças de segurança podem ser mobilizadas para aplicá-lo, disse o presidente Emmerson Mnangagwa, na Sexta-feira

A decisão é vista como prejudicial a uma economia que se debate com uma seca, escassez de divisas e uma taxa de desemprego impressionante de mais de 90%, forçando as pessoas a sobreviver no comércio informal. Mnangagwa disse numa transmissão ao vivo que apenas funcionários do Estado e da saúde em plantão serão isentos do bloqueio, enquanto as reuniões fúnebres não devem envolver mais de 50 pessoas.

“Algumas das medidas serão drásticas e, certamente, perturbarão as rotinas diárias das nossas vidas. Caso seja necessário, forças de segurança serão destacadas para ajudar na aplicação dessas medidas ”, afirmou Mnangagwa. Nelson Chamisa, o principal líder da oposição e, geralmente, um crítico estridente de Mnangagwa e seu governo, disse que apoiava a decisão do governo, já que o Zimbabwe estava “em circunstâncias de uma catástrofe”. “Política de lado, precisamos nos unir para salvar vidas”, escreveu Chamisa no Twitter.

O Zimbabwe registou cinco casos confirmados de coronavírus e uma morte, embora a oposição e outros críticos acusem o governo de subestimar os números e de arrastar os pés para tomar as medidas necessárias para impedir a propagação da doença. O presidente de 76 anos disse que o governo ainda está a procurar maneiras de apoiar a economia para evitar dois anos sucessivos de recessão, após uma contracção de 6% no ano passado.

A maioria dos zimbabweanos ganha a vida vendendo mercadorias nas ruas, e um bloqueio deixará muitos sem rendimentos ou comida, dizem analistas. Na semana passada, Mnangagwa anunciou medidas para coibir o movimento de pessoas, mas, actualmente, tem sido amplamente praticada a actividade comercial no Zimbabwe até agora, com mercados e empresas informais a permanecerem abertos e o transporte público a operar.

Antes, um bilionário do Zimbabwe ofereceu aos profissionais de saúde novo apoio, incluindo seguro de vida e dinheiro, depois que enfermeiras e alguns médicos abandonaram por falta de roupas de protecção para tratar pessoas que sofrem do coronavírus

error: Content is protected !!