PN desmente agressão contra cidadão na província do Namibe

Fonte:Angop

O porta-voz do Ministério do Interior, Waldemar José, desmentiu, na Quinta-feira, em Luanda, o alegado caso de agressão contra um cidadão nacional no município do Tômbwa, província do Namibe, por forças da Polícia Nacional

Falando na habitual conferência de imprensa de balanço das últimas 24 horas do estado de emergência nacional, no âmbito da prevenção e combate contra o Covid-19, Waldemar José frisou que as imagens difundidas nas redes sociais são antigas e não estão relacionadas com qualquer caso de agressão que tenha sido perpetrada pelos agentes das forças de defesa e segurança. O oficial destacou o julgamento de dois agentes da Polícia Nacional na província de Benguela, por acto de suborno.

Os réus foram condenados a três meses de prisão efectiva. Apontou ainda a detenção, na Quarta-feira, de um cidadão por atropelar um oficial da Polícia, que será responsabilizado criminalmente, e de uma cidadã, para responsabilização criminal, por tentativa de atropelamento de um agente numa barreira policial, ambos na província da Huíla. Nas últimas 24 horas foi também detido, na mesma província, um cidadão, para responsabilização criminal, por ter agredido, com uma garrafa um agente da Polícia. Na província do Namibe, cinco cidadãos foram condenados e um absolvido, enquanto 90 foram detidos por desobediência e desacato autoridade.

Luanda lidera a lista com 49 detidos, 17 na Huíla, nove no Moxico, seis no Bengo, cinco na Lunda- Norte, quatro no Uíge, três no Cuanza-Sul, Lunda-Sul e Cabinda, e um no Cunene, Bié e Huambo, respectivamente. Waldemar José informou terem sido apreendidas 99 viaturas por excesso de lotação nas províncias do Uige, com 47, Luanda com 38,Cuanza-Sul com seis, Benguela com três, Cunene e Cuando Cubango com duas, Moxico com uma. A polícia apreendeu também 156 botijas de gás butano por especulação de preços e 274 motociclos, na província do Cuanza- Norte, 81 motociclos nas províncias de Luanda, 72 no Uíge, 27 em Benguela, 20 no Cuanza-Sul, 18 no Moxico, 16 no Cunene, 13 no Bengo, 11 em Cabinda, 10 no Cuando Cubango, seis no Cuanza- Sul e uma na Luanda-Sul. Foram encerrados, em Luanda, 53 estabelecimentos comerciais, 46 no Moxico, seis no Cunene seis, por desobediência, e desmantelaram cinco mercados informais, sendo três em Benguela e dois no Bié. Adiantou que a Polícia perspectiva bloquear os números telefónicos que praticam denúncias falsas e responsabilizar civil e criminalmente os utentes.

leave a reply

error: Conteúdo Protegido!