UNITA expressa solidariedade para com os profissionais da saúde

O principal partido da oposição sugere ao governo, esta Quinta-feira (2), em Luanda,  a criação de uma cesta básica para “as famílias mais desprotegidas”  devido ao   impacto das medidas  impostas pela Estado de Emergência em vigor no país.

“ Os participantes reafirmaram a sua solidariedade institucional e analisaram o impacto das medidas vigentes, com destaque para a implementação do Estado de Emergência”, refere o comunicado  de imprensa da direcção central da UNITA, que esteve reunida em Luanda.

No documento, enviado ao Opaís, o  “Galo Negro” alertou as autoridades  para a necessidade de um incremento no abastecimento de água potável, para  a falta de gás butano e de equipamentos de biossegurança em muitas unidades sanitárias.

Chamou também a atenção para a necessidade do  funcionamento dos centros de quarentena  e para  “a urgente necessidade de testagem de todos os casos considerados de risco, assim como o modo de prevenir a contaminação comunitária”.

No que tange à   solidariedade institucional, a UNITA diz ter criado  uma comissão de acompanhamento e prevenção à Covid-19, integrada por dirigentes e quadros do partido, “para apoiar os esforços das autoridades sanitárias e da sociedade, na efectivação das medidas de prevenção contra esta pandemia”.

O partido liderado por Adalberto Costa Júnior, considera  ser de extrema importância que o Executivo Angolano “melhore o diálogo institucional, tornando mais abrangente a participação de outros sectores da vida do país nas acções de solidariedade e outras medidas de prevenção e combate à Covid-19”.

O partido do “Galo Negro” manifestou-se igualmente  “preocupado o elevado número de cidadãos que permanecem nas vias públicas” tendo, efeito  exortado “a todos os angolanos a observação rigorosa e disciplinada das medidas institucionais tomadas”.

A UNITA pede às autoridades  a acabarem com o que qualifica de   “actos de violência cometidos por alguns agentes das forças de defesa e segurança” , ao mesmo tempo que apela   para se  facilitar o escoamento dos produtos do campo para as grandes cidades.

O segundo partido com maior representação parlamentar em Angola afirma-se preocupados com as informações sobre a realidade   vivida nos centros de quarentena  e exige do governo que  “sejam reforçadas as medidas de segurança e controlo”.

Os  membros da cúpula da UNITA exortaram o governo no sentido  de melhorar o diálogo “com todos os sectores profissionais de modo a ficarem esclarecidas  sobre o impacto das medidas económico-finaceiras tomadas pelo executivo .

A  UNITA  quer que se estabeleçam  regras de pagamento das mensalidades cobradas pelas instituições de ensino, pelos infantários, entre outras, ajudando assim as famílias e as empresas.

“A Direcção da UNITA dirige uma palavra de solidariedade e apreço a todos os trabalhadores do Sector da Saúde, bem como aos voluntários que, por amor a vida, estão na linha da frente nesta cruzada contra a Covid-19 e está ciente que o mundo enfrenta uma nova ordem após a crise da Covid-19. Nesta perspectiva, apela, desde já, todos os grupos de interesse à predisposição patriótica para o diálogo e consensos necessários sobre que país seremos no concerto das nações”, conclui o comunicado   .

error: Content is protected !!