Ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República reitera apoio às famílias mais vulneráveis durante o estado de emergência

O ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República, reiterou ontem na cidade do Lubango, que o Governo angolano vai apoiar as famílias mais carenciadas durante o estado de emergência decretado pelo titular do poder executivo

Por:João Katombela, na Huíla

Frederico Manuel dos Santos e Silva Cardoso disse, na sua visita de trabalho a cidade do Lubango, para informar-se do grau de prontidão da província em relação ao programa de prevenção e combate ao Covid-19, que cada família receberá um valor estimado em 8.500 (oito mil e quinhentos Kwanzas) O ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República adiantou que algumas acções já estão a ser desenvolvidas pelo Governo, com vista a tornar o processo mais abrangente e justo possível. “Já foram divulgadas imagens de acções de abastecimento alimentar em determinadas localidades do país, mas este processo vai continuar e o processo de organização de como fazer também vai melhorar” disse.

Por outro lado, o responsável ministerial disse que estas acções fazem parte das obrigações de qualquer Governo, quando determinado país se encontra num estado de emergência, de forma a se evitar os danos colaterais da doença. “Esta é uma experiência singular para todo o mundo, não há país que tenha feito algo em relação à problemas dessa natureza! Cada país encontra as soluções que se ajustem à sua realidade, ao seu contexto próprio, aos hábitos, costumes e culturas, temos alguns costumes que podem contribuir para a propagação da doença” revelou. Durante a sua estadia na cidade do Lubango, Frederico Manuel dos Santos e Silva Cardoso visitou as instalações do Hospital Central, onde foi criada uma zona de isolamento para atender possíveis cassos positivos de Covid-19.

O ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República disse que na província da Huíla, estão criadas as mínimas condições para eventuais casos que possam surgir. Ainda assim, disse, há toda uma necessidade de se aumentar toda a logística para que se possa responder com satisfação às necessidades que possam advir com a propagação da doença. “Há um processo contínuo de preparação dessas condições, há necessidade de se adquirir mais monitores, mas, o importante é que a direcção deste hospital sabe o que fazer e tem noção do que está a fazer! É preciso continuar a reforçar as medidas de natureza profilática, é preciso prevenir para que não tenhamos muitos casos para atender” revelou.

No âmbito das medidas de prevençã, o ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República, reiterou igualmente a importância de os cidadãos angolanos continuarem a observar o isolamento social. “Há um nível muito grande de imprevisibilidade relativamente ao comportamento da pandemia no nosso país, tudo depende muito da observância, por parte de cada cidadão, das normas e das regras estabelecidas pelo Decreto Presidencial Provisório, que estabelece o estado de emergência, nós vivemos hoje um momento em que cada cidadão deve dar a sua colaboração, cada cidadão deve assumir uma postura responsável ante as recomendações que são por todos conhecidas, aquele que não tem nada a fazer na rua, que fique em casa” rematou.

error: Content is protected !!