BAI doa Kz 10 mil milhões para apoiar o Governo no combate contra a Covid-19

As empresas do grupo BAI, designadamente o Banco Angolano de Investimento (BAI), a Nossa Seguros, o banco BAI Microfinanças, BAI Europa e o banco BAI Cabo Verde, decidiram disponibilizar ao Ministério da Saúde um montente de 10 mil milhões de Kwanzas para ajudar no combate contra a pandemia da Covid-19. A informação foi avançada pelo presidente da comissão executiva do Banco Angolano de Investimento (BAI), Luís Lelis. Segundo o responsável que falou em exclusivo a OPAÍS, os accionistas do BAI decidiram apoiar a causa tendo em conta a evolução e progressão da pandemia no país “Não podíamos ficar de fora desta enorme batalha pela sobrevivência da humanidade, e, em particular dos angolanos”, disse.

O gestor avançou ainda que, o financiamento serviu para para aquisição de testes de diagnóstico, equipamento de protecção pessoal, ventiladores e medicamentos específicos para o tratamento. Por outro lado, acrescentou que o apoio inclui cerca de 1000 horas de formação para os profissionais envolvidos na campanha, assim como obras de reabilitação de três unidades de saúde que vão servir no esforço de tratamento dos doentes. Luís Lilas esclareceu ainda que no âmbito da responsabilidade social, a estratégia do BAI abrange vários sectores da actividade, nomedamente, da saúde, educação, cultura, desporto e o desenvolvimento do capital humano. No que refere ao desporto, por exemplo, um dos projectos do banco passa por apoiar duas equipas do mini-Basquete, uma em Benguela e outra na província da Huíla, com o intuito de ter pelo menos cinco jogadores daqui há10 na selecção nacional.

Para isso, explicou que foi necessário desenvolver um programa integrado de formação dos jovens atletas, com alimentação, instrução e educação, e, desenvolver processos que permite retomar o poderio de Angola no Basquetebol. Já no que toca a area cultural, o BAI apoio também o projecto denominado Show do Mês, em parceria com a Nova Energia, que aposta na música angolana de qualidade, bem como o projecto da Companhia de Dança contemporânea de Angola, que além da dança tem investigação e pesquisa. Ainda no que toca à saúde, reforçou que o BAI tem prestado apoio à prevenção e combate ao HIV e presta apoio ao Centro de Oncologia e ao Hospital Pediátrico No capítulo da formação, o banco investiu um total de USD 70 milhões na construção do edifício da Academia BAI. “ Ninguém investe estes valores se não acredita no país, temos um programa ambicioso de bolsas de estudo internas e externas”, adiantou tendo acrescentado que “Estámos a investir fortemente no nosso capital humano”, precisou.

Por outro lado, e tendo em conta a Covid-19, o BAI assim como outras instituições adoptou medidas preventivas. Segundo o responsável, há dois meses e, em função das notícias sobre a evolução do contágio da doença ao nível mundial, o BAI decidiu adoptar um plano de contingência para manter o banco operacional. Uma das acção fundamentais, esclareceu, foi gerir a informação para reduzir a ansiedade por parte dos colaboradores. Nesta senda, o banco criou um canal único de informação para reduzir o impacto das “fake news” e, assim, ter uma única linha editorial. O que fez com que reduzisse a ansiedade e stress dos colaboradores e desta forma assegurar a produtividade. Além disso, sublinhou também que o banco distribuiu ainda aos seus colaboradores equipamento de protecção pessoal, nomedamente (luvas, máscaras e termómetros). Reforçou, igualmente, a intensidade das operações de saneamento e desinfecção das suas instalações.

Foi por isso que a instituiçäo financeira deu início a um programa de rastreio à entrada do edifício sede que permite identificar se os colaboradores tinham ou não estado expostos a potenciais vectores de transmissão. O BAI dispensou também alguns colaboradores que integram os grupos de risco e os que exercem funções consideradas não nucleares e criticas. Referiu ainda que o BAI criou condições para que os seus colaboradores- chaves trabalhem a partir das suas casas. “Hoje, mais de metade dos nossos 2000 colaboradores activos estão em casa e ainda assim conseguimos prestar os serviços aos nossos clientes”, precisou. Luís Lilas recomendou aos clientes do BAI a utilizarem o serviço BAIDirecto para facilitar na execução das suas operações bancárias. Lembrou ainda que, em breve, será ampliada a capacidade da moeda- eKwanza que, certamente, o número deixará de fazer parte da vida de todos.

error: Content is protected !!