Mais de 100 vacinas candidatas contra Covid-19 e cinco estão em ensaio clínico

 Nesta edição, 115 vacinas são candidatas a combater a Covid-19, já cinco estão na fase de ensaio clínicos. Especialistas asseguram que nunca o processo de criar uma vacina foi tão rápido

Um balanço hoje divulgado pela revista científica “Nature” contabiliza 115 vacinas candidatas contra a doença infecciosa respiratória Covid-19, das quais 78 estão activas e cinco em fase de ensaios clínicos.

O balanço foi feito com base em dados recolhidos pela Coligação para a Inovação na Preparação contra Epidemias (CEPI, na sigla em inglês), criada em 2017 para incentivar e acelerar o desenvolvimento de vacinas contra doenças infecciosas emergentes e torná-las acessíveis às pessoas durante os surtos.

Algumas das possíveis vacinas que são elencadas no artigo da “Nature” têm financiamento desta coligação internacional, que reúne organizações públicas, privadas, filantrópicas e civis e tem sede em Oslo, na Noruega.

Das 115 vacinas candidatas, 37 não foram confirmadas como estando em situação activa por falta de informação disponível.

Entre as 78 vacinas candidatas activas, 73 encontram-se em fase exploratória ou pré-clínica. As restantes cinco estão em ensaios clínicos, isto é, a ser testadas em pessoas.

A primeira vacina candidata contra a Covid-19 começou a ser testada, com uma “rapidez sem precedentes”, em 16 de Março, nos Estados Unidos, depois de ter sido publicada, em 11 de Janeiro, a sequência genética do coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença respiratória aguda.

O novo coronavírus (família de vírus) foi detectado em Dezembro, na China, onde começou a pandemia.

A CEPI salienta que o “esforço global” na investigação e no desenvolvimento de uma vacina para a Covid-19 não tem paralelo “em termos de escala e velocidade”.

 

A obter-se uma vacina no início de 2021, segundo as previsões das autoridades sanitárias norte-americanas, tal significa uma alteração significativa no padrão tradicional de desenvolvimento de uma vacina, que pode demorar em média mais de 10 anos a ser produzida, assinala a CEPI.

Mesmo a primeira vacina contra o vírus do Ébola levou cinco anos a ser criada, ressalva.

Mais de metade das linhas activas das vacinas candidatas (56) estão a ser desenvolvidas pela indústria farmacêutica/setor privado e as restantes (22) pela academia, organizações sem fins lucrativos e sector público.

Apesar do envolvimento de grandes multinacionais farmacêuticas, como a Janssen, a Sanofi, a Pfizer e a GlaxoSmithKine, muitos dos principais promotores de vacinas contra a covid-19 são de dimensão mais pequena e ou inexperientes na produção a larga escala de uma vacina, destaca a CEPI.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infectou mais de 1,5 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 94 mil. Dos casos de infecção, mais de 316 mil são considerados curados.

Portugal, em estado de emergência até 17 de Abril, regista 409 mortes e 13.956 casos de infecções confirmadas, de acordo com o balanço feito hoje pela Direcção-Geral da Saúde.

Renascência

leave a reply

error: Conteúdo Protegido!