Segundo apurou a Angop das autoridades portuguesas, os cidadãos foram retirados da referida pensão, que será desinfectada durante três dias, como uma “mera medida de precaução, depois de três pessoas que lá estiveram há dias terem testado positivo a doença.

Ainda de acordo com as mesmas fontes, os 93 cidadãos angolanos antes de serem transferidos passaram por um processo de medição da temperatura, não tendo nenhum deles apresentado sinais de estar apoquentado com o vírus, que já infectou 19 angolanos.

A Pensão Luanda é um dos locais onde habitualmente vivem concidadãos que se encontram em tratamento médico na capital portuguesa, onde há registo de cinco casos de angolanos infectados com o coronavírus, numa realidade de cerca de 16 mil (15987) em Portugal.