A China Solidariza-se Com Angola e Comunidade internacional Na Luta Contra a Covid-19

Nos próximos dias, avião de carga cheio de material antiepidêmico, que são doações do governo chinês e da Fundação Alibaba a amizade do povo chinês aos irmãos angolanos, chegarão a Angola e serão entregue às autoridades relevantes de Angola. Especialistas da China realizarão uma vídeo-conferência com parceiros angolanos sobre a prevenção e controlo da Covid-19. Doações e reuniões desta escala já é a segunda vez, e demonstram a amizade entre irmãos China-Angola. Desde a entrada em vigor do estado de emergência, Angola tomou uma série de medidas poderosas e efi cazes para conter a propagação da pandemia. As autoridades sanitárias angolanas realizaram conferências de imprensa para apresentar a situação epidêmica e as medidas preventivas no país, durante o qual, foi afi rmado que a China é amiga de Angola com grande apoio e acções práticas às actividades anti-epidémicas em Angola. O PR João Lourenço elogiou os jovens angolanos que a partir da China, via TPA, transmitem a sua experiência e auto-disciplina. As empresas e comunidades chinesas em Angola também participaram activamente nos projectos locais de prevenção da Covid-19. Eles fi – zeram doações de equipamentos médicos e bens essenciais às autoridades locais, à Polícia e ao Centro Comunitário Infantil em Luanda, Bengo, Cuanza-Norte, etc. E ajudaram a concluir rapidamente e com êxito o restauro e instalação dos hospitais no Huambo, Huíla e Namibe, e muito mais… Como embaixador chinês em Angola, estou muito satisfeito em testemunhar tudo isto. É de facto a cristalização da amizade tradicional China- Angola e uma relação verdadeira de assistência mútua. O Presidente chinês Xi Jinping enfatizou que o governo e povo chineses não têm medo do perigo e sempre colocam a vida e a saúde do povo em primeiro lugar. Depois de muito trabalho e grandes sacrifícios, a situação actual da prevenção e controlo da epidemia na China continua a melhorar, e a ordem da produção e da vida se acelerou, e recupera a normalidade. Ainda assim, não podemos fi car relaxados. Diante da disseminação da Covid-19 em todo o mundo, o que a comunidade internacional mais precisa é da confi ança fi rme, esforços conjuntos e resposta unida, fortalecendo de forma abrangente a cooperação internacional e unindo forças para superar a epidemia e vencer essa luta. Um provérbio chinês diz: oferce- me um pêssego e retribuo com vinho. No momento mais difícil quando a China lutou contra o vírus, Angola e muitos membros da comunidade internacional nos deram ajuda e apoio com solidariedade e sinceridade. A China vai sempre lembrar e valorizar essa amizade. A assistência anti-epidémica é uma parte importante da cooperação conjunta internacional. O fornecimento activo da assistência externa à epidemia é um requisito inevitável para a China assumir a sua responsabilidade internacional e praticar o conceito de uma comunidade de destino comum da humanidade. Actualmente, a China prestou alta importância à ajuda humanitária e já ofereceu assistência anti- epidémica a 53 países africanos, 30 países asiáticos, 22 países europeus, 24 países americanos e 10 países do Pacífi co Sul. Os materiais de auxílio incluem, principalmente, equipamentos anti-epidémicos, como kit de teste, máscaras, roupas e óculos de protecção, detecção de temperatura corporal, luvas médicas e capas de sapatos,ventiladores e outros equipamentos de diagnóstico e tratamento. Foram enviados 14 grupos de médicos especialistas para países com epidemias graves, como Itália, Paquistão e Rússia…Além disso, muitos governos locais, empresas, instituições privadas e indivíduos da China também participaram em operações de ajuda externa. Esta gigantesca ajuda tem sido a acção humanitária de emergência mais concentrada e extensiva desde a fundação da República Popular da China, em 1949. A China ganha elogios extensos e merecidos da comunidade internacional. Actualmente, a situação epidémica global ainda está em desenvolvimento, e a China no momento crítico de “evitar a importação externa dos casos e defender o resurgimento interno da pandemia”. Mesmo assim, a China continuará a fornecer aos países assistência.A acção da China é um apoio fi rme à luta anti-epidemia de Angola e da comunidade internacional, uma contribuição positiva à segurança da saúde pública global, como também uma manifestação de um país responsável que defende o seu conceito de construção de uma comunidade de destino comum. Afi nal, pertencemos todos ao mesmo planeta e estamos no mesmo barco. A terminar, quero enfatizar que, para combater a Covid-19, o papel da Organização Mundial da Saúde é mais importante do que nunca. Sem cooperação internacional, não podiamos resolver esta crise. O director-geral da OMS, Dr. Tedros Ghebreyesus, é africano e reconhecido pelo seu profi ssionalismo e liderança. A China apoia fi rmemente a OMS, com doação de 20 milhões de USD, e concorda com a declaração do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, de que “a OMS deve ser apoiada, o que é absolutamente essencial para o esforço global para superar a Covid-19”.

                                                                                        GONG TAO* *Embaixador da China  em Angola

error: Content is protected !!