Benguela: Falcão diz que há suspeitos, Saúde desmente

Trinta e cinco mil pessoas regressaram às suas zonas de origem passando ou se fixando na província de Benguela, informou o governador rui Falcão, que falou de dois casos suspeitos, um local e outro no Namibe. O director da Saúde, Manuel Cabinda, descarta e acusa comunicação social de falta de escrúpulos

Fonte:ANGOP

Na qualidade de coordenador da Comissão Multissectorial Provincial contra a Covid-19, Rui Falcão, disse, em conferência de imprensa, que, deste número, ficaram em Benguela quase 30 mil pessoas e as restantes seguiram viagem para as províncias da Huíla, Namibe e Cunene. No quadro da circulação excepcional, informou, duas pessoas foram tidas como suspeitas, nomeadamente uma que se encontra na província, em seguimento pelas autoridades sanitárias, e outra que viajou para o Namibe, onde vai dar seguimento ao acompanhamento médico. Para António Manuel Cabinda, director provincial da Saúde, que em comunicado posterior acusou os órgãos de comunicação social que passaram o aúdio deo governador de “conduta indecorosa e falta de escrúpulos”, no caso de Benguela, fica afastada a hipótese da Covid-19, já que a passageira nunca esteve em contacto com zonas de transmissão comunitária, nem residiu em bairro com algum caso positivo. “Aventa-se a probabilidade de uma gripe resultante do longo percurso de viagem, mas, ainda assim, as amostras vão imediatamente ser colhidas e enviadas a Luanda”, disse.

Actualmente, a província conta com três aparelhos para testagem da Covid-19, mas ainda não se encontram em funcionamento. Por outro lado, o comissário Aristófanes dos Santos, comandante da Polícia Nacional em Benguela, informou que os tribunais locais condenaram 22 cidadãos por desobediência ao estado de emergência, mil e 156 motorizadas encontram- se apreendidas, bem como 292 viaturas. Em relação à situação criminal no geral, sublinhou que os casos desceram de uma média anterior de 11 casos/dia para oito, o que revela algum acatamento das orientações das autoridades. “Apesar de algumas reclamações sobre alguns excessos, a PN tem utilizado os procedimentos pedagógicos sempre que necessário e só na reincidência aplica os mecanismos previstos na legislação, como são os casos das apreensões”, concluiu. Ainda na Quarta-feira, a comissão trabalhou na desinfestação dos principais mercados informais (4 de Abril, Caponte City, Tombas, Pecuária, Municipal e da Fruta). Até Sexta-feira, segundo Rui Falcão, as unidades prisionais serão desinfestadas.

 

leave a reply