Cabo Verde sem dívidas com o FMI

Cabo Verde ficou de fora do perdão do serviço da dívida que o Fundo Monetário Internacional concedeu a 25 países, porque nunca deveu àquela organização internacional, disse na Praia o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia

Em declarações à Rádio de Cabo Verde, Olavo Correia explicou que Cabo Verde, além de fazer parte do grupo de países de rendimento médio, nunca teve nenhum problema grave com a balança de pagamentos que pudesse justificar uma intervenção financeira do Fundo Monetário Internacional. O ministro adiantou que Cabo Verde tem dívidas com outros parceiros internacionais, acompanhando a estratégia de ministros das Finanças de outros países africanos, que é a procurar obter uma moratória em relação à dívida externa a curto prazo, ou seja, para o ano de 2020. O FMI anunciou, Segunda-feira, 12 de Abril, o perdão durante seis meses do serviço da dívida a 25 dos Estados mais pobres, incluindo Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe, para facilitar a resposta destes países ao impacto da pandemia de Covid-19. Os 25 Estados são Afeganistão, Benim, Burquina Faso, Chade, Comores, Gâmbia, Guiné- Conacri, Guiné-Bissau, Haiti, Ilhas Salomão, Libéria, Madagáscar, Malaui, Mali, Moçambique, Nepal, Níger, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Serra Leoa, Tajiquistão e Togo.

error: Content is protected !!