Na África do Sul confinada, “é guerra” alimentar-se em subúrbios pobres

Senhor presidente, estamos a passar por uma crise alimentar. Aqui é guerra”, adverte Joanie Fredericks. Na África do Sul confinada, eclodiram confrontos com a polícia e saques em bairros pobres, onde os estômagos estavam a passar fome

“As pessoas vandalizaram negócios. Eles atacaram pessoas. O único motivo é que estão com fome”, disse um activista da comunidade num vídeo publicado nas redes sociais. Nesta semana, os moradores doseu subúrbio de Mitchells Plain, perto da Cidade do Cabo (sudoeste), frustrados por não receberem comida do governo, queimaram pneus e atiraram pedras à Polícia, que respondeu com tiros de balas de borracha e gás lacrimogêneo. A alguns quilómetros de distância, agentes de segurança privados indefesos só podiam assistir a dezenas de jovens a roubar um supermercado. Na África do Sul, principal potência industrial do continente, 20% das famílias normalmente têm acesso insuficiente a alimentos, de acordo com o Escritório Nacional de Estatística. A situação se deteriorou repentinamente com a contenção do anti-coronavírus em vigor por três semanas, prorrogada pelo presidente Cyril Ramaphosa até o final de abril. Muitos moradores de bairros e favelas perderam empregos e proventos da noite para o dia.

Riscos de um surto de violência

As autoridades estabeleceram uma distribuição de alimentos para os mais vulneráveis, mas muitos sul-africanos demoram a receber esses pacotes vitais, como na região do Cabo. “Quando olhamos para as notícias, vemos que distribuímos coisas em diferentes áreas da nossa província, mas não em Tafelsig”, um bairro em Mitchells Plain, diz o presidente de uma associação local, o Manual Liezl. Nesse contexto explosivo, especialistas alertam contra o risco de um surto de violência. “Como alguns não recebem pacotes de alimentos e ouvem Senhor presidente, estamos a passar por uma crise alimentar. Aqui é guerra”, adverte Joanie Fredericks.

Na África do Sul confinada, eclodiram confrontos com a polícia e saques em bairros pobres, onde os estômagos estavam a passar fome falar de outros que os recebem, eles começam a reagir”, diz Julian May, director do Centro de Excelência em Segurança Alimentar da Universidade da África do Sul na Cidade do Cabo, Ocidental. “A menos que a comida seja rapidamente distribuída às pessoas em bairros pobres”, a situação não deve melhorar, alerta. Sem surpresa, o confinamento mais uma vez destacou as desigualdades muito fortes na sociedade sul-africana. “Alguns de nós ficam em casa e engordam, enquanto outros não têm nada”, diz ele. “Se as pessoas não podem comer, há uma alta probabilidade de conflitos violentos, incluindo saques em larga escala”, alerta o Instituto de Terras Plaas da África do Sul, preocupado com a repressão das forças de segurança.

A faixa de alocação

Se a Polícia e o exército decidirem usar a força para impor a contenção (…) como tem sido o caso nos últimos dias, a legitimidade da contenção corre o risco de ser questionada, com consequências saneamento desastroso “, acrescenta Plaas. Nesta semana, a ministra do Desenvolvimento Social Lindiwe Zulu prometeu melhorar a distribuição de alimentos. Somente na primeira semana de Abril, foram entregues 48.441 pacotes de alimentos. Mas para Julian May, o governo deve preferir a distribuição de dinheiro à comida, usando o já bem estabelecido sistema de provisões. O governo é “eficaz quando se trata de doar dinheiro”, “não é quando se trata de distribuir alimentos”, disse ele. “Eles nos disseram que teríamos pacotes. Onde estão os pacotes?”, Perguntou a mãe de Mitchells Plain, Nazlie Bobbs. Joanie Fredericks compartilha a sua raiva. “Não devemos escolher entre morrer de Covid-19 ou morrer de fome!”. A África do Sul é o país da África Subsaariana mais afectado pela pandemia de novos coronavírus, com quase 2.800 casos de infecção, incluindo 50 mortes.

error: Content is protected !!