Angola reforça stock com chegada de mais 40 toneladas de material de prevenção da Covid-19

Novo material diverso para travar a pandemia do novo Coronavírus chegou da África do Sul esta semana. O país recebeu mais de 40 toneladas

Por:Patrícia de Oliveira

O sectário de Estado para a Saúde Pública, Franco Cazembe Mufinda , referiu que as 40 toneladas de material foram importadas da África do Sul , perfazendo um total de 65 toneladas, das 100 previstas O responsável da Saúde sublinhou que, neste momento, Angola recebeu perto de 50 mil litros de álcool provenientes da África do Sul. De mesmo modo, serão importados botas para biossegurança, medicamentos, e material de higiene, principalmente para a lavagem das mãos. No que toca a máscaras, Franco Mufinda referiu que chegaram perto de 9 milhões de máscaras cirúrgicas, 100 mil fatos , 50 mil máscaras de proteção a profissionais de saúde e 1000 termómetros infravermelhos . Da Europa, concretamente de Portugal, aguarda-se a chegada de 5 mil camas para os hospitais. O material será distribuído por todo o país, de modo a atender possíveis casos da doença. “Os equipamentos têm sido validados pelo Instituto Nacional de Investigação em Saúde, cujos especialistas dão o seu parecer técnico e validam o material”, explicou. O responsável garantiu que mais equipamentos provenientes da República da China chegarão ao país nas próximas semanas.

190 Ventiladores em todo o país

Angola continua a aumentar o stock em termos de materiais para travar a pandemia do novo Coronavírus Recentemente, a ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta , salientou que à medida que a pandemia vai evoluindo, são adquiridos mais ventiladores. “Temos 190 ventiladores a funcionar em todo o território nacional, recentemente o Midr nistério da Saúde fez aquisição de 52 no mercado nacional e está em curso a aquisição de cerca de 380 ventiladores para a ventilação invasiva e 300 para não invasiva”, explicou Segundo Lutukuta, para o manuseio dos equipamentos estão a ser formados médicos jovens em medicina intensiva para não intensivistas , de modo a aprenderem o básico e fazerem o acompanhamento necessário em cuidados intensivos. “O país tem tido um grande ganho na aquisição de medicamentos, prova deste facto” disse a ministra, é que foram reduzidos os preços nos mercados internacionais”, salientou. Disse ainda que Cerca de 300 Zaragatoas ( material absorvente, preso a uma haste, que serve para coletar materiais para exame) foram enviadas a todas as províncias para fazer os exames a pessoas com problemas de respiração aguda. “Temos mais de 50 mil zaragatoas e foram feitas mais aquisições. Também temos outras modalidades de testagem para estes casos, que será complementada por outros testes de genética, por exemplo.

error: Content is protected !!