Médica cubana entra em Angola com Covid-19

O país registou, ontem, mais um caso positivo de Covid-19, perfazendo, assim, 25. Trata-se de uma especialista cubana em estatística que chegou ao país no dia 10 do corrente mês, integrando a equipa médica que vai apoiar nos esforços de prevenção e combate ao Coronavírus, revelou a ministra da Saúde Sílvia Lutucuta

Por:Maria Teixeira 

governante esclareceu que a técnica em estatística, de 57 anos de idade, está neste momento em tratamento numa das unidades sanitárias de Luanda, enfatizando que a mesma, antes de vir ao nosso país, fez teste de Covid-19, em Cuba, e ficou algum tempo em quarentena. Em declarações à imprensa, na habitual conferência sobre a situação epidemiológica no país nas 24 horas anteriores, no Centro de Imprensa Aníbal de Melo, explicou que a profissional se encontrava em quarentena institucional de 14 dias em cumprimento das regras vigentes no país. Este é um procedimento a que foram submetidos todos os cidadãos provenientes de países com circulação comunitária do vírus, que entraram no país a partir de 17 de Março. Antes de receberem alta, os viajantes são submetidos a um exame para aferir se estão, ou não, infectados com o referido vírus. “Vale referir que estes profissionais já tinham cumprido a quarentena institucional em Cuba e, apesar disso, de acordo com as regras vigentes no nosso país, foram submetidos a nova quarentena institucional.

Ao sétimo dia realizamos a testagem de 254 profissionais cubanos. Dos quais 213 são novos e 40 regressados de férias”, garantiu. Entretanto, a governante disse que 253 testaram negativo e tiveram um caso positivo que já está internado numa das unidades de referência e está assintomática. Realçou que os médicos cubanos estavam acomodados em três unidades hoteleiras de Luanda destinadas à quarentena institucional. “Por essa altura, já foi feita a cerca sanitária ao hotel do caso positivo e continua o processo de quarentena para todos. No entanto, 43 destes profissionais que testaram negativo já se encontram nas províncias de Cabinda, Benguela, Zaire, Huambo e Cunene e continuam nessas localidades a cumprir a quarentena”, fez saber a ministra. Sobre estes profissionais cubanos que já foram encaminhados para algumas províncias, Sílvia Lutukuta garantiu que não representam motivo de discriminação.

Médicos cubanos serão distribuídos pelos 164 municípios do país

Importa referir que o país recebeu um reforço de mais de 200 profissionais cubanos, entre médicos e outros especialistas da área de saúde para se juntarem à luta contra a Covid-19. Sílvia Lutucuta disse que o sistema nacional continua a controlar todos os indivíduos que vêm de países com circulação comunitária do vírus, como foi neste caso, e, por outro lado, conseguiu-se espelhar o grau de alerta permanente em que o país se encontra.

error: Content is protected !!