Covid-19: fronteiras com a RD C e Zâmbia intactas

As fronteiras do Luau com a República Democrática do Congo (RD C) e do Alto Zambeze com a República da Zâmbia, na província do Moxico, não registaram qualquer caso da Covid-19, apesar de os dois países vizinhos registarem casos de circulação comunitária

Por:Ireneu Mujoco

A i n f o r m a ç ã o consta no relatório síntese da Comissão Técnica de Prevenção e Resposta à Covid-19 da Administração Municipal do Luau enviado, ontem, a OPAÍS pela Direcção Provincial da Comunicação Social do Moxico. O Relatório explica que, desde o registo do primeiro caso positivo no país, em Março deste ano, que resultou na declaração do primeiro estado de emergência nacional, nenhum caso foi registado neste município, devido à observância das medidas de prevenção do novo Coronavírus, o SARS-CoV-2 (causador da Covid- 19), apesar da proximidade fronteiriça com a República Democrática do Congo, através do município do Dílolo, província de Katanga. O mesmo avança que o sucesso até agora obtido decorre da colaboração dos cidadãos em relação às recomendações das autoridades sanitárias e das duas fases do estado de emergência nacional, cujo processo, além da Administração Municipal do Luau, conta também com os préstimos dos partidos políticos, líderes religiosos, autoridades tradicionais e sociedade civil.

Para acudir qualquer eventualidade, baseando-se neste relatório, esta circunscrição situada a mais de 300 quilómetros do Luena, capital da província, dispõe de uma unidade hoteleira para a quarentena institucional e um posto médico para isolamento, e conta ainda com material de biossegurança para os técnicos. Ainda no âmbito da prevenção da Covid-19, a Comissão Técnica de Prevenção e Resposta à Covid- 19 no Luau instalou postos de rastreios nas entradas e saídas desta circunscrição, designadamente Marco 25, Chitazo, Estação dos Caminhos de Ferro de Benguela e no Posto Terrestre Fronteiro(PFT). No quadro das suas atribuições, esta comissão seleccionou, formou e capacitou técnicos e promotores da saúde e outros, sobre cuidados a terem na identificação dos prováveis casos positivos.

Sensibilização

Para se evitar males maiores de eventuais contágios da Covid-19, a comissão, coordenada pelo administrador municipal, Valeriano Chimo, além de palestras nas comunidades, esteve também nas unidades das forças de defesa e segurança interna, com o mesmo propósito. No encontro com estes órgãos, Valeriano Chimo exortou ao “cumprimento escrupuloso” da integridade territorial, evitando a violação da fronteira e o contrabando de combustível. Reforçou o seu apelo para a segurança da fronteira, mensagem que não se limita à Polícia de Guarda Fronteira (PGF), segundo ainda o relatório, mas também às Forças Armadas Angolanas (FAA). “Não só na linha da frente, mas também nos postos de rastreio da Covid-19”, disse o relatório de duas páginas, citando o administrador municipal. A Comissão Técnica de Prevenção e Resposta à Covid-19, no âmbito da sua responsabilidade social, ajudou, com bens de primeira necessidade, pessoas carenciadas e as que ficaram retidas no município por força do estado de emergência nacional.

Alto Zambeze

À semelhança do município do Luau, o vizinho município do Alto Zambeze, dirigido por António Segunda Mukissi, também não registou casos de Covid-19, e nem de violação da fronteira. Uma fonte da Comissão Multisectorial da Prevenção e Resposta ao novo Coronavírus do Moxico informou a este jornal que, além destes dois municípios, os demais que constituem também a carta geográfica da província não registaram qualquer caso e estão a observar, rigorosamente, as medidas de prevenção da Covid-19.

leave a reply