Girabola 2019/2020 anulado sem vencedores e sem vencidos

A festa do desporto-rei em Angola observa uma paragem definitiva sob consenso dos presidentes de clubes por força da COvId-19, bem como de questões contratuais dos atletas

Sebastião Félix

O Girabola, Campeonato Nacional de futebol, foi anulado, sob decisão de presidentes dos clubes que disputavam a prova, devido à Covid-19, pandemia que continua a assolar o mundo. Em reunião que antecipou o encontro entre a Federação Angolana de Futebol (FAF) e as equipas, ontem, os responsáveis adiantaram que foi a melhor atitude. Aliás, à Covid-19 não permite a prática do desporto-rei, uma vez que o vírus é inimigo invisível e letal para qualquer ser humano. Uma outra razão para a anulação da festa do futebol em Angola prende-se com o fim dos contratos que cada atleta tem com a sua formação.

O porta-voz deste processo, Tomás Faria, adiantou que os clubes angolanos normalmente celebram contratos de uma ano com os jogadores. Por isso, não havia razões para se continuar o campeonato, porque não haveria, quiçá, condições para eventuais emendas nos contratos se o Girabola continuasse. A prova está parada há mais de um mês, pelo que muitas dificuldades financeiras se revelaram, no que concerne ao pagamento de salários. Sem vencidos e nem vencedores, o Campeonato Nacional manteve o Petro de Luanda no primeiro posto, com cinquenta e quatro pontos.

Por sua vez, o 1 de Agosto, rival de longa data dos tricolores, ocupou a segunda posição com cinquenta e um pontos, pelo que não se cruzam na segunda volta. Pela primeira vez na história do futebol angolano, o Campeonato Nacional foi anulado por razões de pandemia. No encontro, Progresso do Sambizanga, Recreativo da Caála do Huambo e o Desportivo da Huíla foram os clubes que não participaram. No dia seguinte, em vídeo conferência, os três clubes alinharam na ideia dos demais, porque, estão em causa o bem vida e outros aspectos de natureza económica e financeira.

error: Content is protected !!