SADIA apresenta em Maio plataforma online para registo de obras

SADIA apresenta em Maio plataforma online para registo de obras

Depois de ter sido licenciada em Outubro de 2019 pelo Serviço Nacional dos Direitos de Autor e Direitos Conexos, adstrita ao Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente, assume o compromisso de um ressurgimento renovado

Sociedade Angolana dos Direitos de Autor (SADIA) com vista a facilitar os seus membros a que fiquem protegidos e de igual modo protegidas as suas obras, disponibiliza a partir do dia 6 de Maio da sua plataforma, para o registo das obras online. Assim, as plataformas SMARCA e BMAT, serão os responsáveis pelo monitoramento e rastreamento da execução pública da música angolana em todo mundo quer em televisões, rádios, plataformas de streaming, web dites e espectáculos ao Vivo. “Efectuaram-se parcerias internacionais, com a APPLE MUSIC, BMAT e SMARCA, de modos a poder acautelar direitos internacionais dos nossos membros, acumular experiências e obter elementos positivos e aplicar no mercado nacional”, pode ler-se numa nota da SADIA.

Desse modo, nas próximas semanas todos os associados da Sociedade Angolana dos Direitos de Autor (SADIA) vão poder adquirir o código IPI (Interested Parties Information) que tem como principal finalidade identificar devidamente os detentores de direitos nas sociedades de gestão colectiva de todo mundo. “Apela-se por isso a todos os autores angolanos para que se inscrevam de imediato nesta organização e registem as suas obras literárias e/ou musicais, para garantir maior controle e monitoramento das mesmas. Trabalhando em sintonia com a SADIA, os autores, artistas e criadores angolanos contribuirão para alterar o cenário actual do mercado musical em Angola, vendo os seus direitos acautelados e o fim da violação dos direitos de autor”, lê-se no mesmo documento que vimos citando. .

Esta plataforma surge numa altura em que Angola vive uma nova era e o mundo se encontra confrontado por uma pandemia que afecta directamente a classe artística, a SADIA (Sociedade Angolana dos Direitos de Autor ) surge renovada, para proteger todos os criadores artísticos, no que concerne aos direitos e rendimentos da utilização das suas obras na execução pública (rádio, TV, shoppings, supermercados, espectáculos ao vivo, espaços públicos e shows em streaming). A SADIA recebeu em Outubro de 2019, licença do Serviço Nacional dos Direitos de Autor e Direitos Conexos (Senadiac), para poder exercer actividade de gestão de cobrança e distribuição de direitos de autor para todo o território nacional.