Petróleo sobe ante optimismo do mercado

os futuros do Petróleo continuaram a negociar em alta nesta Terça-feira, em Londres, e em Nova Iorque, ante sinal de que o pior desequilíbrio de curto prazo entre oferta e demanda pode estar a diminuir

Às 13h55 (horário de Luanda), os contratos futuros do petróleo dos EUA eram negociados em alta de 13%, a USD 23,14 por barril, enquanto o contrato de referência internacional Brent subia 8,9%, para USD 29,62. Neste momento, o Brent, referência para Angola, está a negociar acima de 30 dólares. As perspectivas melhoraram para o petróleo já que alguns estados dos EUA e vários países, como os populosos Índia e Tailândia, começaram a permitir que algumas pessoas voltassem ao trabalho.

“Considerando a profundidade da destruição da demanda, os mercados devem receber boas notícias relativamente rápidas”, disse Daniel Hynes, estrategista sénior de commodities do Australian and New Zealand Banking Group. Ao mesmo tempo, os principais produtores da Organização de Países Exportadores de Petróleo e seus aliados estão agora a cortar a produção na ordem de 9,7 milhões de barris de petróleo por dia, até Junho, enquanto as paralisações dos produtores norte-americanos estão a ajudar a aliviar o problema de excesso de oferta.

Um relatório recente da empresa de dados Genscape indicou que os stocks no centro nacional de Cushing, em Oklahoma, haviam crescido em apenas 1,8 milhão de barris na semana passada. Se confirmado pelos dados do Instituto Americano de Petróleo, na Terça-feira, e pelos dados do governo, na Quarta-feira, isso representaria uma queda acentuada no crescimento de stocks em relação à tendência das últimas semanas.

A respeito, a gigante francesa Total disse que agora espera uma produção entre 2,95 e 3 milhões de barris de petróleo por dia em 2020, redução de pelo menos 5% em relação às previsões de 2020 anteriores. Isso levou os analistas do Morgan Stanley a sugerir, numa nota de pesquisa, que “provavelmente a maior incompatibilidade na oferta/demanda ficou para trás.” “A partir de agora, a demanda provavelmente melhorará lentamente, e o ajuste do lado da oferta provavelmente ganhará ritmo”, continuou o banco de investimentos

. “O reequilíbrio provavelmente será demorado e terá os seus ataques e ajustes, mas será reequilibrado, no entanto”. Isso segue o movimento do Goldman Sachs de Segunda-feira, de elevar a sua previsão de 2021 para os preços do índice de referência global Brent para 55,63 dólares por barril, contra 52,50 dólares anteriormente.

error: Content is protected !!