A bela idade de sempre

A bela idade de sempre

Eu tenho a idade dos livros que li. Sei amar com a candura de ontem e com a loucura de hoje. Sei ser um rei bom do início dos séculos e sei sentir as dores da carne rasgada em cada milímetro do . . .


Registe-se como Assinante ou inicie a sua sessão para continuar a ler este artigo.
Entrar - Criar Conta