O que os chineses estão a fazer?

Um amigo da Rádio Nacional de Angola ligou-me e perguntou sobre a minha situação actual. Por um lado, como saudação de um velho amigo, por outro, durante a epidemia, também gostava de saber e entrevistou-me procurando saber sobre a comunidade chinesa em Angola. Durante a entrevista, respondi à questão ‘o que os chineses estão a fazer?’

1. Auto-disciplina. Desde o início da epidemia, foi efectivamente controlada em três meses na China. Durante este tempo rígido, há incontáveis soldados com uniforme branco lutando bravamente na linha da frente, mas também guiados por um espírito científico e mais autodisciplinados que pessoas comuns. O Neue Zürcher Zeitung (New Zurich News) acredita que os verdadeiros heróis da epidemia são os chineses auto-disciplinados. O espírito dos chineses é condutivo, então os compatriotas chineses em Angola conhecem bem a infecciosidade e os danos da doença. A comunidade chinesa está a cumprir estritamente a Lei Nacional de Emergência de Angola, sabendo que o slogan FICA EM CASA é o maior apoio ao trabalho de prevenção de epidemias no país. Você perguntou o que os chineses estão a fazer? A grande maioria de nós se isola em casa para reduzir a propagação da doença em causa no movimento com as pessoas.

2. Acompanhar e ajudar. Desde o início do surto em Angola, a comunidade chinesa tem participado activamente no trabalho de prevenção da pandemia no país, enquanto se protege. Há um velho ditado na China: Embora fiquemos a milhares de quilómetros, ainda somos vizinhos. A 17 de Abril, a Fundação Ma Yun doou vários ventiladores, máscaras e outros equipamentos médicos a todos os países africanos, incluindo Angola. A 24 de Abril, o primeiro lote de materiais de ajuda chinesa chegou a Angola. Já a 30 de Abril, as empresas chinesas e as delegações chinesas doaram vários materiais antiepidémicos (máscaras, sabonetes, desinfetantes, caminhõescisterna etc.). Para essas doações grandes e pequenas, o nosso Governo e as empresas estão a contribuir com a nossa própria força. Os chineses têm sentimentos de pátria e casa que se prolongam há milhares de anos e, diante de uma pandemia severa, os chineses em Angola também sentem falta das suas familias queridas e da casa dos seus sonhos. Mas também somos um grupo que entende a situação geral. Nesta época difícil, muitos estrangeiros começaram a fugir de Angola, mas os chineses optaram por ficar, acompanhar e ajudar nesta segunda casa, Angola. Porque bebemos a água do rio “Mãe Kwanza”, comemos mariscos da Ilha, falamos gírias como “madié, está em dia”? e cantamos a melodia de Angola como o Angola de Matias Damásio. O nosso consciente e inconsciente já fazem parte de Angola. Assim como todos os colegas angolanos me chamariam gentilmente de “chigonalo”.

3. Planear com antecedência. Diante da inesperada pandemia, formulamos uma série de programas de prevenção e controlo de cima para baixo. A comunidade chinesa em Angola está actualmente a disseminar activamente esses métodos antiepidémicos efectivos com compatriotas angolanos e a tomar medidas preparatórias relevantes. Tomando minha empresa como exemplo, desde o início da epidemia, de Pequim a Luanda, a empresa tomou grande importância, organizou várias vezes video-conferências.Todos os nossos funcionários têm a obrigação de estudar os conhecimentos sobre prevenção da epidemia que foram apresentados pelos famosos especialistas em prevenção de doenças infecciosas como o acadêmico Li Lanjuan e o professor Zhang Wenhong, como: o que é o novo Coronavírus? Como prevenir e controlar? O que devo fazer se estiver infectado com o Coronavírus? Como andar com o Coronavírus na vida futura? Os funcionários têm que relatar o seu estado de saúde online todos os dias, para que a empresa possa aprender e a ter tempo de seguir o plano de resgate mais rápido e outros meios para tratar esse inimigo humano. Ao mesmo tempo, também compartilhamos essas experiências valiosas com nossos colegas angolanos e orientamos sobre como proteger-se.

4. Auto-aperfeiçoamento. O surto desta epidemia é o processo de autocura da natureza, e também está a impedir os passos dos humanos, deixa-nos olhar para trás e resumir experiências e lições. Portanto, essa epidemia deu à maioria das pessoas em ficar em casa o tempo suficiente para se avançar. Muitas empresas chinesas estão a promover formações com diferentes cursos. Por exemplo: se precisarem trabalhar com angolanos, estão a aprender e a fortalecer as suas habilidades em português. Se forem empregos em finanças e economia, participam em formações de finanças e economia. Se não há professores na sua área, participam à distância, etc.. Através do auto-aperfeiçoamento para acolher a era pós-pandemia. Por fim, gostaria de apresentar-vos o extrato de um poema. “Embora tenhamos montanhas e rios diferentes, a lua e o vento compartilham o nosso coração amável”. Este é um poema japonês, que aborda sobre a amizade entre a China e o Japão há 1.500 anos. O povo da China cresceu bebendo a água do rio Yangtze e do rio Amarelo. O povo de Angola cresceu bebendo a água do rio Kwanza. Temos montanhas e rios diferentes, mas desfrutamos do mesmo sol, da mesma lua, do mesmo ar, na mesma aldeia global. Os chineses amam o rio Kwanza tanto quanto amam o rio Yangtze e o rio Amarelo.

KK,WangTeng

error: Content is protected !!