Grupo armado mata 20 moradores do Nordeste do Congo

Um grupo armado matou pelo menos 20 civis numa invasão nocturna em uma vila no nordeste da República Democrática do Congo no Domingo, o mais recente incidente de uma onda de violência étnica que forçou 200.000 pessoas a sair de suas casas em dois meses.

Os combatentes da milícia da Cooperativa para o Desenvolvimento do Congo (CODECO), composta por combatentes da etnia Lendu, atacaram a vila de Hema, em Ndjala, na província de Ituri, por volta da uma da manhã de Domingo, informaram as autoridades locais e do exército…

“Eles cortaram com facões vários dos meus compatriotas, 20 já morreram e mais de 14 ficaram gravemente feridos”, disse Solo Bukutupa, administrador local. “É insuportável ver as pessoas morrerem assim.”

Os atacantes fugiram quando as forças de paz da ONU chegaram à vila e depois atacaram uma base próxima da ONU, disse uma fonte da ONU.

A luta de vários grupos armados na região complicou a resposta do Congo à pandemia do novo Coronavírus e a uma epidemia de Ebola que matou mais de 2.200 pessoas desde 2018.

O CODECO se dividiu em várias facções concorrentes depois de o exército congolês ter matado o seu líder Justin Ngudjolo em fins de Março.

No início deste mês, Ngabu Ngawi Olivier, que alegou ter assumido a liderança do CODECO, rendeu-se ao exército e pediu que a milícia largasse as suas armas. Outra facção divulgou posteriormente uma declaração denunciando Olivier como impostor. Nenhum combatente seguiu as ordens de Olivier ainda, disse o porta-voz do exército Jules Ngongo.

Rica em recursos naturais, incluindo ouro, diamantes e coltan, a província de Ituri foi o local dos piores combates do país entre 1999 e 2007, depois de uma luta pelo poder entre grupos rebeldes se transformar em violência étnica – grande parte entre Hema e Lendu.

Depois de vários anos de relativa calma, os combates voltaram a ocorrer em Dezembro de 2017, revivendo tensões de longa data sobre a terra.

Desde então, a agitação evoluiu para ataques mais coordenados da comunidade Lendu contra o exército e a etnia Hema.

No final do ano passado, o exército lançou uma operação em larga escala para arrancar uma constelação de milícias que operam no Leste do país, provocando uma reação que viu pelo menos 350 pessoas mortas por grupos armados em Ituri, disse a fonte da ONU.

error: Content is protected !!