Empresa Huawei opõe-se à decisão dos EUA

A maior empresa chinesa actuante no sector das TIC está contra a nova política definida pelo Departamento do Comércio Norte-Americano, segundo fez saber a Huawei em comunicado de imprensa remetido à Redacção deste diário

Na nota de imprensa ontem emitida, consta que “a HUAWEI opõe-se categoricamente às alterações feitas pelo Departamento de Comércio dos EUA à sua regra de produto directo estrangeiro que visa especificamente a Huawei. O governo dos EUA adicionou a Huawei à Lista de Entidades a 16 de Maio de 2019 sem justificação.”

A partir dessa data, lê-se no documento, “e apesar do facto de que uma série de elementos industriais e tecnológicos chave foram tornados indisponíveis para nós, temos permanecido comprometidos em cumprir com todas as regras e regulamentos do governo dos EUA. Ao mesmo tempo, cumprimos nossas obrigações contratuais com clientes e fornecedores, e sobrevivemos e avançamos contra todas as probabilidades. No entanto, na sua busca incansável para apertar o estrangulamento sobre a nossa empresa, o governo dos EUA decidiu prosseguir e ignorar completamente as preocupações de muitas empresas e associações industriais.”

Para a empresa chinesa, “esta decisão foi arbitrária e perniciosa e ameaça minar toda a indústria mundial. Esta nova regra terá impacto na expansão, manutenção e operações contínuas de redes no valor de centenas de bilhões de dólares que implantamos em mais de 170 países. Também afectará os serviços de comunicações para mais de 3 bilhões de pessoas que utilizam produtos e serviços da Huawei em todo o mundo. Para atacar uma empresa líder de outro país, o governo dos EUA intencionalmente virou as costas aos interesses dos clientes e consumidores da Huawei,” acusa a empresa.

A seu ver, “isto vai contra a afirmação do governo dos EUA de que é motivado pela segurança da rede. Esta decisão do governo dos EUA não afecta apenas a Huawei. Terá um impacto grave num grande número de indústrias globais. A longo-prazo, isso prejudicará a confiança e a colaboração na indústria global de semicondutores, de que dependem muitas indústrias, aumentando os conflitos e as perdas dentro dessas indústrias.”

De acordo ao teor ilustrado no documento, “os EUA estão a utilizar os seus próprios pontos fortes tecnológicos para esmagar empresas fora das suas próprias fronteiras. Isto só servirá para minar a confiança que as empresas internacionais depositam nas cadeias de tecnologia e de abastecimento dos EUA. Em última análise, isto prejudicará os interesses dos EUA. A HUAWEI está a realizar um exame abrangente desta nova regra. Esperamos que o nosso negócio seja inevitavelmente afectado. Vamos tentar tudo o que pudermos para encontrar uma solução. Esperamos que nossos clientes e fornecedores continuem conosco e minimizem o impacto desta regra discriminatória.”

O Pais

Deve ver notícias

error: Content is protected !!