Catoca encerra fábrica de tratamento e suspende prospecção

A Sociedade Mineira de Catoca procedeu ao encerramento de uma das fábricas de tratamento e suspendeu os trabalhos de prospecção noutras concessões, por consequência da pandemia de Covid-19, indica nota da sociedade citada pela Angop

Segundo o documento, os mercados internacionais de diamantes estão encerrados, em consequência da pandemia da Covid-19, não se compra, nem se vende diamantes e, como resultado, as empresas deste sub-sector pararam de obter receitas. A título de exemplo, a Índia, o maior lapidador dos diamantes de Angola, encontra-se com o mercado estagnado, com grandes stocks lapidados e brutos.

Estas medidas, lê-se no informe, implicam o reajustamento dos volumes dos planos de produção, com adiamento de alguns investimentos e o melhor acompanhamento e redução das principais despesas, e insumos utilizados no processo produtivo, como energia, água, combustível e material utilizado no processo de emulsão. A maior atenção, com vista a redução de custos inclui as peças sobressalentes e a suspensão de novas contratações.

Com o estado de emergência, decretado em quase todos os países, surgiram algumas restrições. Uma destas, segundo o documento, tem a ver com o encerramento de algumas fábricas e, ou, a dificuldade de exportarem mercadorias que não sejam relacionadas ao combate e prevenção da Covid-19, bens alimentares ou outros bens específicos.

Este factor causou uma disrupção na cadeia de logística de certos bens essenciais ao sector mineiro. Outro exemplo, é o fornecimento de pneus para equipamentos de grande porte o cerne do trabalho numa mina, que hoje existe alguma dificuldade de atendimento no mercado.

Os Estados Unidos da América e a China, actualmente as maiores regiões de consumo de diamantes, têm os seus mercados encerrados, preocupados em combater o coronavírus. As empresas do sector vivem dias difíceis, tão desafiantes que estão a levar as mesmas a desenvolver planos de crise, conforme aconteceu com a Sociedade Mineira de Catoca, a mineradora responsável pela produção de mais de 75% dos diamantes de Angola.

De acordo com o documento, a direcção da empresa encabeçada por Benedito Paulo Manuel optou por desenvolver um plano estratégico que está a garantir a gestão neste cenário de crise, mantendo os serviços essenciais.

error: Content is protected !!