Associação Osãi doa cem cestas básicas a idosos no Cassequel

Sob o lema “Amor sem abraços em tempo de Covid-19” a Associação Osâi, fez ontem, em Luanda, uma doação de cem kits de cesta básica aos idosos do Centro Dia da Associação de Amizade e Solidariedade para com as Pessoas da Terceira Idade (AASTI)

O gesto se estendeu aos idosos que não fazem parte da associação, mas que vivem nas redondezas no Cassequel do Lourenço e do Buraco, no Distrito Urbano da Maianga.

“Sabemos que os idosos fazem parte do grupo de risco e que muitos deles não têm condições de sustentabilidade, por isso nos solidarizamos com os que fazem parte deste Centro e da comunidade do Cassequel, trazendo estas cestas básicas. Mas, também, trouxemos o nosso amor mesmo sem abraços”, disse Eduarda Mosquito, a vice-presidente da associação Osãi, expressão umbundo que quer dizer “Lua”.

Explicou que a Osãi é uma organização de beneficência e solidariedade, sem fins lucrativos, apartidária e de iniciativa familiar, com pendor social forte, que aponta a necessidade de fortalecer as pontes de interajuda e solidariedade humana, capazes de fortalecer a paz social e encorajar a responsabilidade social.

A associação, realçou Eduarda Mosquito, tem como objectivo fortalecer o tecido social nacional, tendo um importante papel na segurança social, no reconhecimento do valor e das vítimas de violência escolar e doméstica através do diálogo, priorizando, os jovens que representam o futuro e o desenvolvimento sustentado de uma nação.

“Esperamos que a nossa responsabilidade social e o espírito de voluntariado inspire causas por um mundo mais solidário, sociedades mais humanas, famílias mais sólidas e resilientes”.

No momento em que fazia a entrega das cestas, Eduarda Mosquito declarou que com estes kits compostos por arroz, massa alimentar, óleo, açúcar, fuba, feijão, farinha de trigo, a associação pretende ajudar a colmatar as dificuldades que a sociedade angolana atravessa nesta fase de pandemia do Covid-19, em que os idosos são um grupo vulnerável, devido à idade. Por sua vez, a presidente da AASTI, Emília de Almeida, agradeceu dizendo que a acção representa verdadeiramente um gesto de amor sem abraços, devido ao inimigo comum Covid-19, que tem levado o mundo a um grande flagelo causando a dor e dificuldades de vária ordem.

Emília de Almeida disse que o centro tem idosos com extrema vulnerabilidade vindos de vários pontos da província de Luanda, com destaque para os municípios de Cacuaco, Cazenga e Viana. Apelou, por outro lado, a outras instituições a apoiarem os idosos e todas as famílias carenciadas nesta fase difícil que o país atravessa.

A AASTI concentra no seu centro, denominado “Kudissanga Kuamakota”, localizado no bairro do Cassequel, cerca de 70 idosos de várias partes da província de Luanda. Os anciãos passam todos os dias, das 8h às 14h, neste centro praticando diversas actividades, como alfabetização, corte e costura, trabalhos artesanais, exercícios físicos, passeios a locais históricos, como forma de lhes tirar do isolamento a que estão submetidos. A responsável da associação disse que o objectivo principal é melhorar a qualidade de vida dos idosos, o seu desenvolvimento psicossocial, bem como contribuir para eliminar o isolamento e a inactividade a que estão sujeitos.

Criada em 2002, a AASTI tem como propósito a sensibilização das famílias quanto a questões que afectam as pessoas da terceira idade, salvaguarda dos seus direitos, bem como a devolução da dignidade aos idosos.

error: Content is protected !!