Médica cubana entre os 18 recuperados da Covid-19

O secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, revelou, ontem, que nas últimas 24 horas, o país recuperou mais um caso. Trata-se da médica cubana que tinha testado positivo, perfazendo assim, um total de 18 recuperados do novo Coronavírus. Por outro lado, duas pessoas foram confirmadas, sendo um cidadão da Guiné Conacri e uma angolana, ambos de 25 anos de idade

A médica recuperada faz parte do contingente médicos cubanos que chegaram ao país, no passado dia 10 de Abril do corrente ano, para apoiar as autoridades sanitárias nos esforços do combate à Covid-19. Porem, esteve impedida de acompanhar os seus colegas que foram transferidos por diversas províncias pelo facto de o seu exame médico do novo Coronavírus ter sido positivo.

Para além da sua recuperação, Franco Mufinda anunciou que a quantidade de pessoas infectada subiu de 58 para 60 casos nas últimas 24 horas, ao proceder a habitual actualização dos dados sobre a pandemia no país que decorre diariamente, no Centro de Imprensa Aníbal de Melo.

Esclareceu que os dois casos confirmados são contactos dos “Casos 26 e 31” e que se encontravam em quarentena institucional. “Tratam- se de dois sujeitos: o primeiro de 25 anos de idade, morador do bairro Hoje ya Henda, de nacionalidade guineense, da Guiné Conacri. O mesmo é assintomático e até a testagem encontrava-se a observar a quarentena institucional”, frisou, sublinhado que em função disso, o paciente foi encaminhado para um dos centros de tratamento. O mesmo acontece com a cidadã nacional, também de 25 anos de idade, que foi contaminada na condição de contacto do paciente identificado como Caso 26. Esta moradora do município do Kilamba Kiaxi também observava quarentena institucional quando o lhe foi detectada o vírus. Nesta altura, está num dos centros para o devido seguimento de tratamento.

Neste contexto, Angola permanece com três óbitos, 18 recuperados e 39 pacientes clinicamente estáveis internados nas unidades sanitárias para o devido tratamento. Os registos apontam ainda que país tem 32 casos de transmissão local, incluindo o caso do cidadão de 82 anos de idade que resultou em morte recentemente.

O governante disse ainda que se encontram em quarentena institucional 1.077 pessoas, uma quantidade inferior à de Quarta-feira por ontem terem sido atribuídas altas a nove pessoas, sendo cinco na província de Cabinda, duas no Uíge, uma em Malanje e outra no Huambo.

O laboratório tem um acumulado de 6.880 amostras colhidas, das quais 60 positivas, 6.482 negativas e 338 se encontram em processamento. E os casos suspeitos investigados são 449 e sob investigação tem um acumulado de 1.194 indivíduos.

País reforçado com mais de 25 toneladas de materiais de biossegurança

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) não registou, nas últimas 24 horas, denúncia de violações de quarentena domiciliar. No entanto, recebeu 45 chamadas relacionadas com pedidos de informação da Covid-19.

Por outro lado, a equipa de resposta rápida recebeu um alerta de caso suspeito, que após investigação foi validado.

O secretário de Estado para a Saúde Pública informou que, ontem, chegou ao país mais 25 toneladas de matérias de biossegurança adquiridos pelo Governo Angolano a China.

Franco Mufinda disse ainda que a Comissão Multissectorial para a Prevenção e o Combate à Covid-19 no país, levou parte dos materiais na província de Cabinda para ceder a formação de profissionais de saúde. As autoridades precisam também de tentar perceber o que se está acontecer na fronteira entre Cabinda e os Congos.

Em termos de actividades realizadas a nível das províncias destacam- se palestras de sensibilização nos postos de saúde, capacitação de intensivistas, bem como capacitação dos técnicos de saúde sobre medidas de prevenção da Covid-19 e enio de amostras.

Fez saber que ontem, a 20 de Maio levantaram, em Luanda, o cordão sanitário numa área do bairro do Cassenda, distrito urbano da Maianga, município de Luanda, onde foram. Nessa comunidade 163 pessoas, cujos resultados foram negativos.

“Nesse momento, estamos a fazer o seguimento das amostras do Futungo, que também é outro cordão sanitário, onde pouco mais de 300 amostras que colhemos e já processamos cerca de 174”, frisou. Acrescentou de seguida que “o resto está em processamento. E deste número seis foram positivos. Casos reportados dias atrás. E vamos esperar o desfecho das amostras que se encontram em processamento”.

Infecção respiratória aguda entre as preocupações dos médicos

O governante apelou a observância das medidas de protecção, entre as quais, o distanciamento físico e, sobretudo, que se quebra o medo. Pede as pessoas que sejam mais fortes, uma vez que por essa altura o país teria o registo acima de quatro mil casos e está somente com 60 casos confirmados.

“De modo que, olhando para o que foi projectado pela Organização Mundial da Saúde e que já foi revisto, podíamos ter até o final do mês que vem, Junho, um acumulado de 10 mil casos. Já estamos na época de cacimbo”, referiu.

No entanto, disse que estão a realizar também os ensaios comunitários com a colheita de amostras em populações específicas de risco tendo em atenção o barómetro de vida na época de cacimbo.

Assim sendo, vão monitorando o que está acontecer com as infecções respiratórias agudas no seio da população, pelo que, redobraram a vigilância activa e passiva no seio da comunidade.

“Apelamos mais uma vez a comunidade a manterem-se vigilantes no que está acontecer, sobretudo, o olhar a sensibilidade no que respeita a infecção respiratória aguda que acontece com o nosso filho, connosco e no seio da comunidade. E só assim é que poderemos dar volta e manter cada vez mais a prevenção e controlo da Covid-19 no nosso país”, apelou.

 

error: Content is protected !!