Saxofonista Manu Dibangu é o homenageado do festival “Africadelic” 2020”

Saxofonista Manu Dibangu é o homenageado do festival “Africadelic” 2020”

O safoxonista camaronês Manu Dibangu falecido este ano vítima de Covid-19, é o grande homenageado desta edição do Festival Africadelic, que de forma excepcional acontece online na página do evento no Facebook e na conta do Instagram do Paradiso, até ao dia 26 de Maio.

O evento que hoje inicia tem duração de três dias, e durante este período de acordo com a organização, serão exibidos 15 filmes de realizadores africanos que estarão disponíveis gratuitamente no Cineville e Vimeo, e no dia 25 de Maio, dia consagrado para a celebração de África, 30 músicos actuam durante 12 horas em concerto Live.

Celebrar o Dia de África através de manifestações culturais e reflexões sobre a situação sociocultural que afecta o continente e a diáspora africana, é o que se pretende com a realização deste evento cultural, onde são apresentados artistas do continente e da diáspora africana, através de música ao vivo, artes visuais, dança, cinema, performances e sets de DJs.

Pela natureza digital do festival, tendo em conta a situação especial da pandemia Covid- 19, espera-se um público muito mais vasto uma vez tendo oportunidade de se juntar via Internet, podendo aceder às várias plataformas destinadas para as diferentes actividades do evento.

“Espera-se atingir o público, além do país anfitrião, dos diferentes países da CPLP participantes (Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique e Portugal) e ainda dos restantes países”, augura a organização em nota a que OPAÍS teve acesso.

“Além de seguir e respeitar todos os princípios da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), o evento pretende promover o desenvolvimento e a cooperação entre os Estados membros e entre estes e os restantes participantes no domínio da cultura”, pode lerse ainda no documento.

Yuri da Cunha no cartaz

O músico angolano Yuri da Cunha integra o cartaz do leque de artistas que este ano vão apresentar-se no Festival Africadelic, que tem como homenageado o saxofonista Manu Dibangu. Conhecido pela sua versatidade artistica e performance em palco, Angola fica representada com o “Show Man”, e A’mosi Just a Label ou simplesmente Jack Nkanga.

Palestras

Além de vários temas sociais actuais em África e na diáspora, este ano os artistas e activistas foram desafiados a incluir nestas discussões interactivas, as consequências políticas, sociais e económicas do Coronavírus nos diferentes países africanos e no sector cultural, e musical em particular.

As palestras serão exibidas na página de Instagram do Paradiso e nas páginas pessoais de alguns participantes, nomeadamente, Simone Sims, Richard Kofi, Fuad Hassen, Adeola Naomi Aderemi & Christopher TijanSmith que vão falar sobre o papel da arte e criatividade em tempo de isolamento.