Cinéfilos regressam às salas a 31 de Julho

Cinéfilos regressam às salas a 31 de Julho

A previsão de reinício de actividades recreativas, culturais e de lazer na via pública ou em espaço público está dependente da evolução da situação epidemiológica. Assim, prevê-se a reabertura das salas de cinema a 31 de Julho de acordo com o decreto presidencial sobre a situação de calamidade.

Antes, está previsto a partir de 8 de Junho o reinício de funcionamento de museus, teatros, monumentos e estabelecimentos similares, bem como o reinício de actividades como a realização de feiras e exposições de cultura e artes.

Para o mês de Julho precisamente no dia 13, está prevista a reabertura de bibliotecas e mediatecas, enquanto que a 15 de Agosto ficam liberadas as praias, piscinas de acesso público e demais zonas balneares ao passo que 15 de Agosto reentram em funcionamento os clubes navais e marinas, para fins recreativos.

Quanto a outras actividades culturais e artísticas, designadamente espectáculos musicais, estão sujeitas a regulamentação específica e, por isso, não tem ainda data prevista para o seu retorno. Porém, o reinício das actividades recreativas, culturais e de lazer na via pública ou em espaço público está dependente da criação de algumas condições ou sujeitas a algumas regras.

Entre elas, a limitação da capacidade das salas a 50% da capacidade; higienização das mãos à entrada das superfícies. Está igualmente tipificado o uso obrigatório de máscara facial por todos os participantes; distanciamento físico de, no mínimo, dois metros entre os participantes, e afastamento de dois metros entre as bancadas no caso de feiras.

Actividades Religiosas

Neste segmento, também mediante a evolução da situação epidemológica da Covid-19, o reinício destas actividades estão previstas para o seu arranque mas antes, a 24 de Junho, deve ser o período reservado à preparação das condições de biossegurança nos locais de culto.

Sendo que o reinício das actividades religiosas estão igualmente previstas na mesma data. Todavia, deverá obedecer as seguintes condições: limitação de até 50% da capacidade dos locais de culto; ajuntamento permitido no limite máximo de até 150 pessoas.

Ajuntamentos para fins religiosos nos locais de culto fechados até 4 dias por semana, sendo que os restantes dias são reservados à higienização do espaço; celebrações religiosas em espaço fechado com duração máxima de duas horas; higienização das mãos à entrada dos locais de culto; uso obrigatório de máscara facial; distanciamento de, no mínimo, dois metros entre fiéis e ainda localização privilegiada, nos locais de culto, para pessoas em grupos de risco.