Índia e China implantam tropas e armamentos em diversas regiões da fronteira comum

Índia e China implantam tropas e armamentos em diversas regiões da fronteira comum

Segundo a agência PTI, o exército chinês recentemente implantou aproximadamente 2.500 efetivos em Pangong Tso e no vale Galwan. 

 “A força do exército indiano na área é muito superior ao do nosso adversário”, afirmou um militar de alto escalão sob anonimato.  

O exército indiano estaria preocupado com a presença das tropas chinesas em diversos pontoschave do vale Galwan, uma área que não é disputada pelos dois países.  

Os chineses instalaram aproximadamente 100 tendas em Galwan nas últimas duas semanas, além de equipamentos pesados para a construção de bunkers. 

 “Isto é sério. Não é um tipo de transgressão normal”, comentou o ex-comandante do Exército Norte, tenente-general DS Honda. 

Um especialista em assuntos estratégicos, Ashok Kantha, observou que “ocorreram múltiplas incursões” por parte das tropas chinesas. “É algo que preocupa. Não é um confronto de rotina. Esta é uma situação preocupante”, afirmou.  

A situação no Leste de Ladaque agravou-se depois que aproximadamente 250 soldados chineses e indianos se enfrentaram na noite de 5 de Maio na zona de Pangong Tso, deixando mais de 100 feridos em ambos os lados, confronto que só cessou após uma reunião entre os líderes locais. 

A China e a Índia disputam parte do território montanhoso do norte da região da Caxemira, além de aproximadamente 60.000 quilómetros quadrados no estado Arunachal Pradesh. A linha de controlo real passa pela região de Ladaque 

Em 1993 e 1996, a China e a Índia firmaram acordos sobre a manutenção da paz nas regiões disputadas.  

Em 2017, militares indianos e chineses mantiveram um tenso encontro noutra área tibetana, uma zona de importância estratégica para Nova Deli e disputada pela China e pelo Butão.