Aulas reiniciam com turmas divididas em duas

O regresso às aulas ficará marcado com as turmas divididas em dois subgrupos, correspondendo cada a 50 por cento dos alunos, os quais devem ser atendidos em dois turnos de 2 horas e 30 minutos cada, de acordo com o Decreto Executivo nº 5/2020, de 28 de Maio do Ministério da Educação (MED) a que OPAÍS teve acesso

O MED diz que elaborou o novo calendário escolar reajustado e um conjunto de orientações pedagógicas para a reorganização das actividades lectivas após consultar os seus parceiros sociais, os gabinetes provinciais e as direcções municipais do sector.

A ministra da Educação, Luísa Maria Alves Grilo, determina que o primeiro turno do período da manhã será das 7h30 às 10h00. Durante esse espaço, serão ministrados quatro tempos lectivos, com intervalos de apenas 5 minutos. O segundo turno começará 5 minutos depois, isto é, às 10h05 e terminará às 12h35. Manter-se-á a mesma quantidade de tempos lectivos e os intervalos vão durar somente 5 minutos. O mesmo exercício será feito no turno da tarde. O primeiro período começará às 12h45 e terminará às 15h15. O segundo irá das 15h25 às 17h55.

“Os professores trabalharão em dois turnos no mesmo período, com dois grupos de alunos da mesma turma, divididos em duas metades”, diz o documento. Para dissipar eventuais dúvidas, exemplifica que um professor de uma turma de 60 alunos trabalhará no primeiro turno com 30 alunos e no segundo turno com igual quantidade.

Já para o ensino secundário, manter-se-á o horário que vigora desde o arranque do ano lectivo, mas far-se-á a divisão das turmas em dois subgrupos de igual número ou aproximado, em caso de o número de alunos ser ímpar. Para este caso em concreto, as turmas deverão ser alternadas semanalmente para receberem as aulas. “Por essa razão, as tarefas para casa devem ser reforçadas, de modo a ocupar os alunos de cada subgrupo durante a semana de pausa”, diz.

O MED acredita que agindo-se deste modo, manter-se-á a carga horária do professor até que a situação se normalize e se recupere o tempo, com a fusão dos grupos. “Esta medida fundamenta-se nas dificuldades da redução da carga horaria, devido ao número de professores que leccionariam por turno, facto que impossibilita a divisão de cada período em dois turnos”, diz. Acrescenta de seguida que “as competências dos alunos serão reforçadas com as tele e rádio-aulas”.

O apresente ano lectivo foi reduzido a dois trimestres. O trimestre inicial começará no dia 13 de Julho e terminará no dia 28 de Agosto, serão dadas como válidas as matérias ministradas nas sete semanas lectivas que antecederam a interrupção das aulas.

Já o trimestre final compreende o período de 31 de Agosto a 31 de Dezembro do corrente ano. Para este período em concreto, far-se-á a adequação do sistema de avaliação em função dos dois trimestres. Ocorrerá também a redução da presença dos alunos em cada um dos turnos em 50 por cento.

Durante esse período estarão suspensas as aulas de educação física, até orientações contrárias.

O MED diz que para o reinício das aulas, para além das condições didáctico-pedagógicas, é fundamental o asseguramento das condições de bio-segurança, como a existência de água nas escolas, sabão e álcool gel, máscaras faciais, entre outros. “A garantia destas condições requer o engajamento dos Governos Provinciais e de outras entidades da sociedade civil”, diz o MED.

 

error: Content is protected !!