Bebé de um mês e sua mãe entre quatro novos positivos da Covid-19

Um bebé com um mês de vida, do sexo masculino, e a sua mãe, de 22 anos, fazem parte dos quatro novos casos de Covid-19 confirmados ontem, perfazendo um total de 81 doentes, revelou o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda

Franco Mufinda, que falava ontem, na habitual actualização dos dados sobre a pandemia no país, esclareceu que a mãe do bebé infectado também testou positivo e faz parte dos quatro casos positivos anunciados. Trata-se da única senhora, de 22 anos, que testou ontem positivo ao novo Coronavírus.

“O quarto caso tem 22 anos de idade, é angolana e também reside no município do Cazenga. E o último caso trata-se de uma criança de um mês de idade, do sexo masculino, angolano, residente no município do Cazenga”, disse.

Entre os quatro novos casos que o país registou nas últimas 24 horas está também um homem de 67 anos de idade, de nacionalidade angolana, morador do município do Cazenga.

Deste modo, o país passou a ter 81 caso de Covid-19, dos quais quatro resultaram em óbito, 18 estão recuperados e em 59 o vírus se mantém activo, dos quais um requer atenção especial. O estado clínico dos outros pacientes é estável. Todos estão a ser atendidos em unidades sanitárias de referência.

Por outro lado, Mufinda disse que o outro cidadão que está infectado pelo novo Coronavírus tem 41 anos, é de nacionalidade russa, trabalha numa empresa petrolífera e foi detectado no momento em que cumpria quarentena institucional obrigatória aqui no país.

Realçou que o cidadão russo teve um percurso pela Rússia e França até chegar a Angola, onde observava a quarentena institucional e foi orientado a fazer o exame de Covid-19, tendo o resultado sido positivo. Por esta razão, foi transferido para um dos centros de tratamento onde estão a ser seguidos todos os portadores deste vírus que já ceifou milhares de vidas humanas.

De recordar que os três cidadãos do município do Cazenga que testaram positivo residem no perímetro onde foi estabelecida uma cerca sanitária, no bairro Hoji ya Henda, em Luanda. Esta decisão das autoridades sanitárias teve como base o facto de o “Caso 31”, um cidadão da Guiné Conacri, não ter cumprido a quarentena domiciliar com que estava comprometido.

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu 50 chamadas, das quais uma denúncia de caso suspeito de Covid-19 e 49 foram pedidos de informação sobre o vírus.

Em relação ao laboratório, Franco Mufinda fez saber que o país tem um acumulado de acima de 10 mil amostras colhidas, sendo 81 positivas, 9.123 negativas e o resto encontra-se em processamento.

Disse ainda que 1.043 pessoas observam a quarentena institucional em todo o país e que nas últimas 24 horas, 43 pessoas receberam alta, sendo 28 na província de Luanda e quatro na Lunda-Sul e Cabinda, cada. Já a Huíla e Lunda- Norte contaram três, cada, e Cunene uma.

Franco Mufinda fez saber que os casos suspeitos investigados são 454, enquanto os contactos sob vigilância chegam a 1.139 pessoas. “Com a mudança dos números, a transmissão local passa a 52 casos”, frisou.

Futungo livre da cerca sanitária após 27 dias

Após 27 dias de cerca sanitária, devido ao mediático “Caso 26”, que teve contacto com os vizinhos desta localidade, do distrito do Futungo, município de Talatona, ontem, tudo voltou à normalidade, com o levantamento do confinamento obrigatório, imposto pelas autoridades angolanas para impedir a proliferação do vírus.

“Hoje (ontem), no período da tarde, procedemos ao levantamento do cordão sanitário do Futungo, onde foram testadas 890 pessoas”, informou, Franco Mufinda.

Entretanto, disse que continua o cordão sanitário do bairro Hoji ya Henda, onde se está a processar pouco mais de três mil amostras e, por esta altura, mais de 1.000 amostras já foram processadas.

Sobre as actividades realizadas nas demais províncias, destacou a formação de profissionais, a educação e a desinfecção de locais públicos.

Por outro lado, Franco Mufinda disse que as províncias do Bengo e Cuanza-Norte receberam materiais de bio-segurança à luz do que acontece em todos os pontos do país. E, ainda ontem, a Comissão participou, em vídeo-conferência, numa actividade que tratou da Covid-19 na Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

O secretário de Estado para a Saúde Pública fez saber que o encontro serviu para a troca de boas práticas entre os países que formam a região da SADC, e que Angola também levou alguma experiência que tem até a esta data na prevenção e combate a esta doença.

Franco Mufinda reiterou o uso da máscara, a higienização das mãos e a observância do distanciamento físico como medidas de prevenção para o combate à Covid-19 no país.

error: Content is protected !!