“Enterro de Jonas Savimbi foi um passo importante para a reconciliação nacional”

Enterro de Jonas Savimbi foi um passo importante para a reconciliação nacional. A afirmação é de Isaías Samakuva, por ocasião do primeiro aniversário da inumação das ossadas de Jonas Savimbi, líder fundador deste partido, assinalado ontem, 1 de Junho

Em declarações a OPAÍS, Isaías Samakuva disse que o enterro condigno do fundador da UNITA é um capítulo encerrado e que constituiu-se numa abertura que representa a possibilidade de diálogo entre os angolanos.

“Era importante levar os restos mortais do Doutor Savimbi para o local por ele próprio desejado quando em vida, mas também porque a sua não exumação representava um pendente que estava já a transformar-se numa fonte de desconfiança, o que não contribuía positivamente para o processo de reconciliação nacional”, disse.

Samakuva, que dirigiu a UNITA entre 2002 a 2019, após à morte em combate de Jonas Savimbi, disse que o enterro condigno do seu antecessor foi a realização mais marcante do seu consulado.

Durante o enterro no cemitério da família, na Lopitanga, no município de Andulo, província do Bié, ao lado dos seus pais Loth Malheiro e Helena Mbundo, no seu longo discurso, Samakuva tinha dito ainda que a exumação dos restos mortais do seu antecessor, representava um sinal importante para o processo de reconciliação nacional em curso no país, mas também um conforto psicológico para a sua família.

Primeiro enterro

Jonas Savimbi foi enterrado inicialmente no cemitério municipal do Luena (Moxico), depois de ter tombado em combate na localidade de Lucusse, a 22 de Fevereiro de 2002.

A transladação dos seus restos mortais para a sua terra natal resultou de um pedido da família e da direcção da UNITA que queria cumprir um pedido expresso por ele, ou seja, que fosse enterrado ao lado dos seus pais, na Lopitanga.

Durante a homenagem a Jonas Savimbi, foi reconhecido pela direcção da UNITA que o processo de inumação resultou de um pedido feito ao ex-Presidente da República, José Eduardo dos Santos, mas concluído já no mandato do actual Chefe de Estado, João Lourenço.

O acto de sepultamento de Jonas Savimbi foi marcado com a presença de individualidades nacionais e estrangeiras e testemunhado também pela imprensa internacional.

Jonas Savimbi repousa definitivamente num monumento construído por um filho seu,e a cerimónia levou a Lopitanga a sua prole de 30 filhos, segundo informação oficial avançada pelo antigo porta-voz da UNITA, Alcides Sakala Simões.

“Data incontornável”

Para o actual primeiro-ministro do governo sombra da UNITA, Raul Danda, a data é incontornável, mas que deveria ser para todos os angolanos, alegando que os feitos de Jonas Savimbi não foram somente para os militantes da UNITA, “mas para todos os filhos de Angola” .

Raul Danda, que já foi vicepresidente da UNITA na fase derradeira do consulado de Isaías Samakuva, defendeu que, para uma verdadeira reconciliação nacional, é necessário que o nome de Jonas Savimbi esteja ao lado de outras figuras ,como Holden Roberto e Agostinho Neto.

Jonas Malheiro Savimbi fundou a UNITA a 13 de Março de 1966, na localidade de Muangai, província do Moxico, onde também morreu há 18 anos.

error: Content is protected !!