Helicóptero militar tenta dispersar manifestantes em Washington após toque de recolher

Um helicóptero militar voando em baixa altitude foi destacado para dispersar os manifestantes que tomaram as ruas da cidade americana de Washington, desafiando o toque de recolher obrigatório.

Alguns dos violadores da nova medida puderam ser vistos a quebrar fachadas de lojas.

Dezenas de pessoas que protestaram contra a morte de George Floyd, morto durante uma detenção em Minneapolis, no Estado de Minnesota, saíram às ruas da capital na noite de Segunda-feira (1º), violando a regra de recolher obrigatório imposta anteriormente.

Quando os manifestantes marcharam para Chinatown, foram recebidos por pelo menos um helicóptero Blackhawk com uma marcação da Cruz Vermelha.

Essa é a sensação quando o helicóptero paira por um segundo.

O helicóptero pairava apenas alguns metros sobre a multidão numa aparente tentativa de forçá-los a se dispersarem.

Também têm surgido vídeos que mostram a polícia a usar granadas de atordoamento nas multidões.

Conhecida como “demonstração de força”, a manobra usa a hélice da aeronave para impelir tudo, incluindo lixo e detritos, para fora de seu caminho e contra os manifestantes. A táctica é normalmente reservada para zonas de guerra, onde é usada para perseguir insurgentes.

“Este grupo de esquerda progressista tem como objectivo enfrentar nas ruas os grupos supremacistas brancos. Acusá-los dos protestos provocados pelo mal-estar social é uma estratégia de comunicação de Trump para minimizar a verdadeira razão dos protestos”, comenta Zamorano.

O analista salientou a hipocrisia do presidente dos EUA ao recordar que “há duas semanas havia grupos supremacistas brancos a protestar contra o isolamento social e estas manifestações organizadas por grupos de extrema-direita foram comemoradas por Trump”.

De acordo com Zamorano, “existem mais de 320 milhões de armas privadas nos EUA e existem muitos grupos armados e milícias com treinamento militar”, motivo pelo qual “se a crise do coronavírus seguir a sua má administração, pode haver o transbordamento da violência”.

Por outro lado, comentou que Trump se vê impedido de fazer campanha para reeleição em Novembro e está a ser “prejudicado pelas sondagens”.

O seu adversário democrata, Joe Biden, não pôde capitalizar o seu apoio, mas tem uma vantagem de dois a cinco por cento”.

error: Content is protected !!