Caso Madeleine McCann: Polícias de três países identificam novo suspeito

Caso Madeleine McCann: Polícias de três países identificam novo suspeito

“Em conexão com o desaparecimento da menina britânica de três anos, Madeleine Beth McCann […], a Procuradoria Pública de Brunswick está a investigar um cidadão alemão de 43 anos suspeito de assassinato”, informou a Bundeskriminalamt (BKA), a Polícia federal alemã.

Segundo os investigadores, o suspeito é um criminoso sexual que foi condenado várias vezes, inclusive por abuso sexual de crianças. Actualmente, ele cumpre pena de prisão prolongada “noutro caso”, afirmou a Polícia da Alemanha.

Esta é uma nova reviravolta neste polémico caso, no qual mais de 13 anos após os factos e centenas de interrogatórios, e buscas posteriores, o mistério permaneceu até agora completo para a Polícia portuguesa e a Scotland Yard.

Madeleine McCann desapareceu do seu quarto em 3 de Maio de 2007, alguns dias antes do seu quarto aniversário, no pequeno resort à beira-mar da Praia da Luz, no Sul de Portugal, onde passava férias com a família.

Em comunicado, a Polícia Judiciária de Portugal declarou que vem trabalhando “em estreita articulação” com a BKA e com a Metropolitan Police, braço da Scotland Yard, e que diligências continuam a ser realizadas para esclarecer o caso.

“O suspeito em questão, de 43 anos de idade, com antecedentes criminais, residiu em Portugal entre 1996 e 2007 e está actualmente a cumprir pena de prisão na Alemanha”, destacou a nota.

Já a Polícia britânica reforçou que uma das frentes que podem levar ao esclarecimento do caso é a identificação já feita de dois veículos ligados ao suspeito – um deles uma van – que teriam estado na região portuguesa de onde Madeleine desapareceu.

“O suspeito teve acesso a essa van desde pelo menos Abril de 2007 até um pouco depois de Maio de 2007. Ela foi usada dentro e ao redor da área da Praia da Luz. Acreditamos que ele estava a morar nesta van por dias, possivelmente semanas, e pode ter usado em 3 de Maio de 2007”, revelou o comunicado da Polícia do Reino Unido.

Controvérsias e mistério

Após 14 meses de investigações controversas, marcadas em particular pela acusação dos pais da menina, Gerry e Kate McCann, que não ficou comprovada, seguida da demissão do inspector encarregado da investigação. A Polícia portuguesa arquivou o caso em 2008 antes de reabri-lo, cinco anos depois.

A polícia britânica abriu a sua própria investigação em Julho de 2013, mas a Scotland Yard reduziu drasticamente o número de investigadores mobilizados no caso.

Os pais sempre estavam convencidos de que a sua filha havia sido sequestrada e ainda podia estar viva.

Os investigadores alemães trabalharam em “estreita colaboração” com os seus colegas britânicos e portugueses para encontrar esse novo suspeito.

Ele teria morado regularmente no Algarve entre 1995 e 2007, principalmente por vários anos numa casa localizada entre Lagos e Praia da Luz. Ele teria trabalhado na região, em particular na restauração.

Outras evidências sugerem que ele também ganhava a vida “cometendo crimes, incluindo roubos em complexos hoteleiros e apartamentos de férias”, além de tráfico de drogas, destacou a Polícia alemã.

Ela, juntamente com a Polícia britânica e portuguesa, lançou um novo chamado para que as testemunhas colectassem qualquer informação sobre ela.