China diz que departamentos relevantes estão em contacto com Angola sobre alívio da dívida

O Ministério das Relações Exteriores da China disse, nesta Quarta-feira, que os departamentos relevantes entraram em contacto com Angola sobre o seu pedido de alívio da dívida

A China espera que outros países também ajudem a África a avaliar as suas exigências de dívida, disse Zhao Lijian, porta-voz do ministério, numa entrevista colectiva à imprensa.

O Ministério das Finanças de Angola disse, na Terça-feira, que o país havia pedido o alívio da dívida do G20 e estava em estágios avançados de negociações com alguns países importadores de petróleo para ajustar as facilidades de financiamento.

Minfin informa a credores medidas adoptadas

O Ministério das Finanças (Minfin) está a actualizar informações aos credores do Estado sobre as recentes medidas adoptadas para fazer face às pressões macroeconómicas causadas pela pandemia de Covid-19 e pela queda do preço do petróleo.

Na sequência das já anunciadas reformas da administração pública e dos ajustamentos orçamentais, o Ministério das Finanças diz encontrar-se actualmente em fase avançada de negociações com alguns dos seus parceiros importadores de petróleo para reprogramar as facilidades de financiamento.

O objectivo da medida é, segundo o Minfin, melhorar a reflexão sobre o actual ambiente de mercado e as quotas de produção da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

Uma nota da Unidade de Gestão da Dívida Pública (UGD) enviada à ANGOP, esta Quarta-feira, refere que o Ministério das Finanças espera concluir as negociações num futuro muito próximo e garante condições mutuamente vantajosas para todas as partes envolvidas.

Por outro lado, em consulta com o FMI, o Ministério das Finanças decidiu recorrer à iniciativa de Suspensão da Dívida do G20 (G20/DSSI) no sentido de negociar com os seus pares soberanos a paralisação do serviço da dívida em empréstimos bilaterais, indica o documento.

O Ministério das Finanças espera que DSSI alivie a pressão financeira e permita a liberalização de fundos para combater o efeito da Covid-19 em Angola nos próximos meses.

As medidas adoptadas com a cooperação do FMI e outros parceiros multilaterais permitem ao país estar no caminho certo, para garantir a ajuda de emergência necessária para 2020 e a estabilidade macro-financeira a longo prazo para os anos seguintes.

O Ministério das Finanças diz que não prevê a necessidade de prosseguir com a renegociação da dívida com os credores além das já em curso.

error: Content is protected !!