País aumenta capacidade para 600 análises de Coronavírus por dia

País aumenta capacidade para 600 análises de Coronavírus por dia

Mais de 600 análises laboratoriais do novo Coronavírus passa a ser capacidade com que as autoridades sanitárias contam desde ontem para detectar e combater este vírus, revelou, em Luanda, o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda.

O governante, que falava na habitual actualização dos dados sobre a pandemia no país, no Centro de Imprensa Aníbal de Melo, disse que os técnicos de laboratório estão a trabalhar ininterruptamente. Este esforço visa garantir a continuidade da testagem.

“Todavia, queremos aqui informar que aumentamos a capacidade com a criação de mais um ponto de testagem. Agora, estamos a falar de uma capacidade acima de 600 análises laboratoriais por dia nestes pontos. Tanto faz o público como o privado”, referiu.

Assim sendo, disse haver reagentes para a capacidade máxima dos equipamentos. “Nós temos três focos importantes de infecção que geraram um número considerável de infectados. Há o maior esforço para dar a devida resposta”, frisou.

Franco Mufinda explicou que o laboratório tem 11.526 amostras colhidas até esta data, sendo que 91 são positivas e 11.061 são negativas. Comparando com os dados de Sábado, reportou que houve uma feitura acima de 400 amostras.

Três novos casos

Trata-se de casos de transmissão local envolvendo cidadãos que tiverem contacto com os casos 78 e 62, que estão em tratamento, sendo que dois, de 13 e 59 anos de idade, respectivamente, são residentes no Sambizanga e estavam em quarentena no Centro de Calumbo, revelou o secretário de Estado para a Saúde Pública.

Franco Mufinda esclareceu que dois dos três casos testados positivos, um do sexo masculino e outro feminino, são contactos do “Caso 78”, que se encontra em tratamento.

Já o terceiro caso, do sexo masculino, de 33 anos de idade, manteve contacto com o “Caso 62”, que também é activo e se encontra em tratamento. Este cidadão reside no município do Kilamba Kiaxi.

Nesta senda, a estatística indica a ocorrência de 91 pessoas infectadas, das quais quatro morreram, 24 recuperaram e 63 casos estão activos. Um deles requer atenção especial e os demais estão a ser assistidos em unidades sanitárias de referência.

“Os três casos já se encontram, neste momento, em seguimento clínico num dos nossos centros de tratamento. Informo que antes, todos eles estavam a observar a quarentena institucional”, frisou.

Explicou ainda que têm os resultados de todas as pessoas que se encontram em Calumbo e, dentre eles, registaram somente dois dos três casos positivos acima referidos.

Risco de contágio desnecessário

Franco Mufinda esclareceu ainda que por causa de actos de rebeldia, recentemente, no seio das pessoas que se encontram em quarentena institucional em Calumbo, alguns acabaram por manter contacto directo com os dois casos testados positivos. Razão pela qual houve a necessidade de uma parte das pessoas permanecerem sob observação por mais sete dias, para uma nova testagem.

Anunciou, por outro lado, que tiveram alta, ontem, algumas pessoas que não correram tais riscos.

O governante disse ainda que 1.005 pessoas observam quarentena institucional em todo o país, sendo que nas últimas 24 horas 25 pessoas receberam alta, entre as elas 14 residentes em Luanda, seis em Benguela, uma em Cabinda e quatro no Uíge.

Franco Mufinda fez saber que existem 456 casos suspeitos investigados e os contactos sob vigilância chegam a 1.160 pessoas.

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu 31 chamadas, das quais um alerta de caso suspeito de Covid-19 e 30 pedidos de informação relacionadas ao vírus.

Segundo o secretário de Estado para a Saúde Pública, as províncias do Bengo, Benguela, Cuanza- Norte e Lunda-Sul reportaram actividades atinentes à busca activa e palestras realizadas no seio da comunidade.

Mais 25 toneladas de material de biosegurança chegaram ao país

O secretário de Estado para a Saúde Pública fez saber que ontem chegaram ao país mais de 25 toneladas de material de bio-segurança adquirido pelo Executivo na China, para aumentar a capacidade de resposta institucional.

Sobre as medidas de prevenção, recordou o uso da máscara em locais indicados, a observância do isolamento físico, a lavagem das mãos frequentemente com água e sabão, bem como o acatamento das medidas contidas no decreto sobre o estado de calamidade.

De recordar que o novo Coronavírus (SARS-CoV), responsável pela pandemia da Covid-19, surgiu na China em Dezembro de 2019. O surto espalhou-se pelo mundo e já vitimou centenas de milhares de pessoas, tendo a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarado uma situação de pandemia global.