Unidades territoriais da PIR serão extintas

Unidades territoriais da PIR serão extintas

A Polícia de Intervenção Rápida (PIR), braço especial da Polícia Nacional de Angola, vai contar, nos próximos tempos, com um novo estatuto orgânico, que se adequa ao contexto actual. Existe uma proposta de extinção das unidades territoriais e criação de unidades regionais, segundo o comandante daquele órgão, Comissário, Tito Munana.

O chefe máximo da PIR, que falava no acto central do 28° aniversário daquela força especializada em matéria de intervenção policial, avançou que o documento já foi enviado ao comandante-geral da Polícia Nacional de Angola, Paulo Gaspar de Almeida, para a devida apreciação e aprovação.

“Estão também já elaborados, fundamentados e postos à consideração superior o regulamento e a insígnia da PIR, a proposta sobre a extinção das unidades territoriais e a criação das unidades regionais, assim como a proposta do local para transferência do Centro de Adestramento Especial”, disse Tito Munana.

O comandante, que há dois meses dirige a PIR, disse ainda que uma das apostas do seu comando é o rejuvenescimento das forças, assim como a promoção do género no cargo de mando e chefia, pelo que tem já propostas para nomeação de mulheres na liderança dos comandos deste órgão.

A PIR surgiu em 1992, aquando da visita do Papa João Paulo II a Angola, num momento em que o país vivia transformações profundas na vida política, económica e social, catapultando a nação para um Estado Democrático de Direito. Teve como primeiro comandante, o comissario-geral e ex-comandante-geral da Polícia Nacional José Alfredo Ekuikui.