Carta do leitor: Mas a água é como?

Carta do leitor: Mas a água é como?

Por: Manuel Afonso
Camama – Luanda

Meus senhores, escrevo para este jornal porque já é demasiado o sofrimento que estamos a passar, eu, a minha família e todos os vizinhos do condomínio BPC em Camama. Estão a nos abusar de todo o dinheiro. Agora dizem que é mais uma avaria. Eu acho que é roubo descarado.

Por ano, se chegamos a ter um só mês com água a correr sem parar é um milagre. Há sempre cortes. A EPAL diz sempre que é avaria, mas eu não acredito. Ninguém acredita. Agora já estamos há mais de um mês sem água nas torneiras outra vez. Sempre a pagar cisternas de água. Sempre.

Eu até me pergunto se o hospital pediátrico que estão a construir aqui perto também vai viver de cisternas de água. Estamos perto do Kikuxi, o centro de tratamento. Estamos também perto do centro de distribuição do Lar do Patriota, que, infelizmente, tem também uma girafa. Então estamos reféns. Esta gente não tem coração. A EPAL anda a aldrabar-nos há muito tempo. O Ministério é cúmplice.

Deixamos de cuidar dos nossos filhos para comprar água, porque o dinheiro não chega. Agora subiram os preços. É uma pouca vergonha.

Acho que os angolanos que possam devem mesmo emigrar, uma família não pode gastar mais do que metade do seu salário a comprar água para guardar no tanque. Isto está muito mal. Não há esperança para este país. Aqui, o Estado cobra impostos altos e os funcionários do Estado ainda nos roubam. Ninguém faz nada. Já passaram todas as marcas. Se contarmos todos os dias, no fim do ano não tivemos dois meses com água a correr.