Júri retira prémio ao vencedor do Jardim do Livro Infantil 2020

Júri retira prémio ao vencedor do Jardim do Livro Infantil 2020

O júri da edição 2020 do prémio literário Jardim do Livro Infantil, liderado por António Fonseca, anulou o resultado da obra vencedora “A Kandengue do Golungo e o livro que não tinha fim”, de Minango Ya Nzambi, por tratar-se de plágio de uma obra editada em 2015, de autoria da brasileira Sandra Ayomone, intitulada “O Livro que não tinha fim”.

Depois de ter sido alertado sobre a possibilidade de a obra vencedora ter incorrido num plágio, a equipa do júri e organização do concurso sob a chancela do Instituto Nacional da Indústrias Culturais e Criativas (INIC), accionou os mecanismos ao dispor, tendo decidido por unanimidade a anulação do referido resultado.

O regulamento do Prémio determina que as obras submetidas a concurso devam ser originais, inéditas e de criação própria. No entanto, esses pressupostos não foram escrupulosamente cumpridos pelo até então vencedor, havendo por essa razão, incumprimento da cláusula regulamentar.

Em nota a que OPAÍS teve acesso, o INIC escreve que trata-se de um plágio grosseiro, falta de honestidade intelectual e tentativa de burla por parte do concorrente. Desse modo, o júri decidiu retirar o prémio ao autor da obra submetida, ficando assim nula a presente edição.

De acordo com o director do Instituto Nacional das Indústrias Culturais e Criativas (INIC), Gabriel Cabuço, contactado por esse jornal, lamentou o sucedido na presente edição, tendo aconselhado aos potenciais candidatos a cumprir com o regulamento bem como a primarem pela criatividade e imaginação.

 “É uma atitude reprovável e que a todos envergonha. O concorrente além de incorrer em crime, não poderá participar em nenhuma iniciativa literária promovida pelo ministério, além de perder a oportunidade de ver a obra publicada bem como a perda do valor pecuniário de 500 mil Kwanzas, que ajudaria bastante”, referiu o responsável.

O trabalho em causa 

O corpo de jurado liderado pelo escritor António Fonseca, após ter apreciado trabalhos em concurso, havia considerado a obra vencedora por se ter revelado original com uma linguagem simples, com grande criatividade e imaginação, ao mesmo tempo que aliava mensagens pedagógicas num processo de educação para o livro.

O júri subscreveu aquando da feitura da acta, que a obra em questão era facilitadora para a leitura e para a preservação da natureza, dos impactos ambientais e em relação à importância da reciclagem.

O prémio 

O Prémio Literário Jardim do Livro Infantil é de periodicidade anual, realizando-se em homenagem aos percursores da Literatura Infantil Angolana, e visa a criação literária infanto-juvenil, bem como promover o surgimento de novos autores e obras neste domínio.

O Jardim do Livro Infantil visa difundir e valorizar o livro para crianças, no sentido de permitir que as crianças estejam mais próximas dos autores e tomem contacto com uma vasta gama de títulos a preços acessíveis. O projecto é, também, um meio de fomentar a política do livro e da promoção da leitura.

O então vencedor 

Não nos foi possível contactar, por telefone, o então vencedor do prémio, de nome próprio Cirineu de Jesus André Francisco “Minango Ya Nzambi”, por este não ter atendido às várias chamadas muito menos nos tenha retornado até ao fecho desta edição. Sabe-se, no entanto, que trata-se de um jovem de 24 anos de idade, licenciado em linguística pela escola Superior Pedagógica do Cuanza-Norte.